Governo reduz IPI para automóvel; veja os novos preços dos 10 mais vendidos

O valor mais baixo entre eles foi o do Palio Fire, que passou de R$ 25.790 para R$ 23.211

Os veículos com motor 1.0 devem ficar cerca de 10% mais baratos com a redução de tributo e o desconto acertado entre governo e montadoras, de acordo com o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini.

Para veículos com motor acima de 1.0 e de até 2.0 cilindradas, os preços devem cair 7%. Já veículos utilitários devem ficar cerca de 4% mais baratos.

Diante do desempenho fraco da economia, o governo anunciou na segunda-feira, 21, um pacote de R$ 2,7 bilhões para estimular o consumo, principalmente o de automóveis, e a aquisição de máquinas e equipamentos. Como fez na crise de 2008 e 2009, o Planalto cortou impostos, liberou mais dinheiro para empréstimos e reduziu juros. Ainda assim, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu que será difícil crescer 4,5% este ano.

As medidas foram costuradas com os setores produtivo e financeiro, num compromisso “inédito”, segundo Mantega. Para reduzir o estoque das montadoras, o governo zerou o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos automóveis de até 1.000 cilindradas e arrancou das montadoras um compromisso de reduzir a tabela em 2,5%.

“Isso atende à demanda do setor”, disse o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini. “Os estoques estão altos e é preciso fazer girar a máquina da indústria automobilística.”

A redução vale até o fim de agosto e o governo estima que deixará de arrecadar R$ 1,2 bilhão no período. As montadoras se comprometeram a não demitir durante a vigência do acordo. Para os modelos importados, continua valendo a alta de 30 pontos porcentuais no IPI.

Os bancos se comprometeram a reduzir a entrada e os juros, além de alongar prazos nos financiamentos. Em troca, serão liberados R$ 18 bilhões que hoje as instituições têm de manter no Banco Central e não recebem juro, disse o diretor de Política Monetária do BC, Aldo Mendes.

Na prática, o governo redirecionou ao setor de veículos o benefício dado aos grandes bancos, que depositavam recursos em casas menores. “Eu confio na indústria automotiva e na Anfavea, e também confio nos bancos”, disse Mantega, ao ser questionado sobre o compromisso.

Consumo. O pacote do governo incluiu ainda a redução da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) nos empréstimos para pessoas físicas de 2,5% para 1,5%. Com isso, a arrecadação federal vai cair perto de R$ 900 milhões em um período de três meses. Porém, esse corte não tem prazo para acabar. O BNDES também vai reduzir o custo dos financiamentos de bens de capital.

Mais medidas estão a caminho. Mantega pediu à Caixa a simplificação da linha de crédito que permite utilizar recursos do FGTS para a compra de material de construção. Segundo o ministro, essa linha já é oferecida hoje, mas há muitas exigências. Mantega deixou claro que outros setores poderão ser beneficiados. “Se faltar crédito, vamos liberar mais.”

Fonte: Estadao.com.br

Deixe seu Comentário