Cenário para oposição em 2014 é ‘muito favorável’, diz líder do PPS

Em análise sobre resultados da pesquisa Ibope/Estadão, Rubens Bueno disse ver cenário de profunda insatisfação da população com o governo petista

BRASÍLIA – O líder do PPS na Câmara dos Deputados, Rubens Bueno (PR), avaliou que a pesquisa Ibope/Estado, divulgada ontem, mostra que o cenário para a oposição, no ano que vem, é “muito favorável”. Bueno afirmou que a pesquisa, que revelou uma queda de 28 pontos porcentuais nas intenções de voto da presidente Dilma Rousseff para o pleito do ano que vem, reflete um cenário de profunda insatisfação da população com o governo petista, que ele classificou de “frágil” e de “distante da realidade”.

Rubens Bueno
Rubens Bueno

Na leitura dele, o enfraquecimento das intenções de voto para a presidente Dilma se deve à uma avaliação negativa, por parte da população, de uma série de serviços, entre os quais saúde, segurança pública e transporte urbano. No cenário estimulado da pesquisa Ibope com quatro concorrentes, a presidente Dilma Rousseff aparece com 30% da preferência do eleitorado, versus 22% de Marina e 13% de Aécio. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), surge com 5%. Na última sondagem, feita em março, Dilma tinha 58% das intenções de voto, contra 12% de Marina, 9% de Aécio e 3% de Campos.

O desempenho de possíveis candidatos de oposição no levantamento animou o parlamentar, que prevê dificuldades para a reeleição de Dilma. “Os números (da oposição) são muito bons e a força é muito grande”, disse o deputado. “Só o Aécio e a Marina, juntos, têm 35% (das intenções de voto)”, disse o deputado, em referência ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) e à ex-ministra Marina Silva, que tenta articular a sigla Rede Sustentabilidade. O líder do PPS diz que os candidatos da oposição devem atuar unidos para, no ano que vem, derrotarem a presidente na eleição. “É um cenário muito favorável para que a oposição, de forma unida, derrote o governo”, disse Bueno.

Bueno avalia, ainda, que a ex-senadora Marina Silva foi quem mais conseguiu canalizar a insatisfação da população contra as lideranças políticas, demonstrada nos protestos que tomaram o País no último mês. Marina foi impulsionada, segundo Bueno, por não ocupar, no momento, nenhum cargo eletivo. “A Marina, por não ter um partido ou um cargo, se beneficia”, resumiu.

Deixe seu Comentário