Tarifa do transporte público será reduzida em São Paulo, Rio de Janeiro e Manaus; outras 5 capitais já anunciaram queda na passagem

MATÉRIA COMPLETA DO PORTAL ESTADÃO:
Acompanhe os Links abaixo


19h04
 – Manifestantes ocupam a Avenida Paulista, sentido Paraíso.

18h45 – Integrantes do Movimento Passe Livre choram ao saber da notícia da redução do preço das tarifas em São Paulo:

O Movimento Passe Livre (MPL) recebeu a notícia da redução da passagem de ônibus na cidade de São Paulo pelo Estado, que antecipou a informação, e correu para acompanhar a coletiva feita pelo prefeito Fernando Haddad e pelo governador Geraldo Alckmin no início da noite desta quarta-feira, 19. O grupo viu a entrevista em frente a uma TV em um bar da Rua da Abolição, no centro da cidade, fazendo uma grande festa no lugar quando o anúncio foi oficializado: revogação do aumento das tarifas de ônibus, trem e metrô, que retornam de R$ 3, 20 para R$ 3,00 à 0h da segunda-feira, 24.

Sob forte emoção, e com integrantes em prantos, eles gritaram e disseram que o aumento revogado foi “o ultimo reajuste da cidade de são Paulo.”

A manifestação marcada para esta quinta-feira, 20, a sétima desde o dia 6, será agora um ato de festa, disseram os integrantes do MPL. “Vamos manter o ato para comemorar e também em solidariedade às outras cidades que ainda querem a revogação do reajuste” , disse um dos integrantes do movimento, o estudante Caio Martins, de 19 anos.
Membros do movimento afirmaram que a luta não termina enquanto não houver um transporte de qualidade e gratuito na cidade. Pegos de surpresa com o anúncio desta noite, eles informaram que ainda vão avaliar como será sua atuação daqui para frente. O objetivo, no entanto, continua sendo a tarifa zero na capital, disseram. (Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo).

 

18h26 – Veja a lista de cidades que já reduziram o valor da passagem de ônibus no Brasil:
São Paulo – R$ 3,20 para R$ 3,00

Rio de Janeiro – R$ 2,95 para R$ 2,75

Cuiabá – R$ 2,95 para R$ 2,83

João Pessoa – De R$ 2,30 para R$ 2,20

Manaus – De R$ 3,00 para R$ 2,90

Natal – R$ 2,40 para R$ 2,30

Porto Alegre – R$ 2,85 para R$ 2,80

Recife – R$ 2,25 para R$ 2,15

 

18h18 -O prefeito do Rio de Janeiro também  anuncia neste momento a revogação do aumento da passagem de ônibus na cidade. Depois de seguidos protestos, a tarifa voltará aos  R$ 2,75 na capital fluminense. Ela havia sido aumentada para R$ 2,95 no dia 1º de junho.

18h10 – O governador Geraldo Alckmin dá neste momento uma entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes. “Vamos revogar  o reajuste dado voltando a R$ 3,00. É um sacrifício grande, vamos ter que cortar investimentos”, disse ele. “Vamos ter q arcar com estes custos, apertar o cinto , mas entendo que é importante para o transporte e para a cidade. Para termos tranquilidade para debater temas legitimamente colocados.”

A tarifa de ônibus também voltou ao patamar de R$ 3,00, informou o prefeito Fernando Haddad (PT), que acompanha o governador. “É um gesto de aproximação, de entendimento”, disse ele. “Agora temos que explicar as consequências desse gesto para o futuro da nossa cidade. Estaremos em diálogo permanente  para que o orçamento seja repensado à luz dessa nova realidade”.

18h06 – Um dos responsáveis por atos de vandalismo na frente da  Prefeitura no sexto protesto contra o aumento da tarifa em São Paulo, nessa terça-feira, 18, foi detido e presta depoimento na sede do Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic). Pierre Ramon, de 2o anos, é estudante de arquitetura da FMU. Ele atacou a Prefeitura e ajudou a queimar um carro da Record.

17h43 – No protesto que acontece neste momento em São Bernardo do Campo (SP), um grupo em São Paulo já passou pela prefeitura. A movimentação é pacífica.

17h38 – PRESIDENTE PRUDENTE (SP) – A passagem de ônibus baixou R$ 0,10 em Presidente Prudente (SP) e, a partir de sábado, passa a custar R$ 2,50. A redução da tarifa, que custa R$ 2,60 desde janeiro, foi uma decisão unilateral do prefeito Milton Carlos de Mello, o Tupã (PTB). Ele não consultou as duas empresas de ônibus da cidade e, hoje, diminuiu o preço. O cartão magnético, com um mínimo de 50 bilhetes, teve o preço reduzido de R$ 2,50 para R$ 2,40. Na segundo-feira, cerca de dois mil manifestantes protestaram no centro de Prudente contra o preço da passagem. Alguns chegaram a ocupar a rampa que dá acesso à Prefeitura e à Câmara de Vereadores.

17h36 – NITERÓI (RJ) – O protesto que começou às 17h já reúne 5 mil pessoas, segundo a Prefeitura de Niterói.

17h27 – O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), vão anunciar a redução da tarifa de ônibus e trens do Metrô e da CPTM. O anúncio será feito logo mais em coletiva no Palácio dos Bandeirantes. Com a decisão, o valor das tarifas, atualmente em R$ 3,20, vai voltar a R$ 3,00.

17h12 – O governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Fernando Haddad (PT) decidiram se encontrar no Palácio do Bandeirantes na tarde desta quarta-feira. Os dois vão discutir os protestos ocorridos no Estado desde o aumento das tarifas de ônibus, metrô e trens em São Paulo. O encontro foi marcado às pressas e ocorre depois de Haddad dizer que pode haver espaço para uma redução de até 7% na tarifa desde que um projeto de lei que desonera o setor transporte público seja aprovado no Congresso. A imprensa foi convocada para uma coletiva após o encontro.

17h10 – Seis capitais já anunciaram redução nas tarifas de ônibus:

Cuiabá – R$ 2,95 para R$ 2,83

João Pessoa – De R$ 2,30 para R$ 2,20

Manaus – De R$ 3,00 para R$ 2,90

Natal – R$ 2,40 para R$ 2,30

Porto Alegre – R$ 2,85 para R$ 2,80

Recife – R$ 2,25 para R$ 2,15. O primeiro protesto na capital pernambucana está marcado para esta quinta-feira, 20.

17h00 – OSASCO (SP) – Tem início um protesto que pede a redução do preço das passagens de ônibus na cidade de Osasco, na Grande São Paulo.

16h55 – BELO HORIZONTE – Um grupo de cerca de 2 mil pessoas, formado em sua maioria por estudantes, saiu da Praça Sete de Setembro em direção a Praça Rui Barbosa, onde foi instalado um telão para exibição do jogos da Coda das Confederações. O protesto coincidiu com o horário do jogo Brasil x México, em Fortaleza.

Há muito mais pessoas do lado de fora do evento oficial, que é organizado pela prefeitura, do que dentro da arena de shows montada pela organização. O protesto é pacífico. Mas a Polícia Militar foi acionada. A manifestação chegou a bloquear o trânsito Avenida dos Andradas, em frente à Praça Rui Barbosa.

O principal alvo dos protestos é a realização da Copa do Mundo no País. “Quando o Governo investiu no Estado para acelerar as obras da Copa o posto de saúde do meu bairro entrou em greve por falta de condições de trabalho”, disse o estudante Emanuel Magno.

Manifestantes ocuparam a frente da Prefeitura de Belo Horizonte. Imagem publicada no Instagram pelo internauta brunomunniz

16h40Veja o cronograma de manifestações pelo Brasil nesta quarta-feira, 19:

Niterói (RJ) – 17h – Protesto contra a tarifa de ônibus. Há boatos de que os manifestantes tentarão interditar a Ponte Rio-Niterói.

São Caetano do Sul e São Bernardo do Campo (SP) – 18h – Ato no Centro Digital de São Caetano do Sul, na Avenida Goiás, na altura do número 900. Eles vão andar até São Bernardo do Campo, em um percurso de 12 km.

Vitória (ES) – 17h na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Cuiabá (MT) – 17h, em frente à prefeitura. Mais 10 cidades tem protestos agendados em Mato Grosso: Várzea Grande, Barra dos Bugres, Barra do Garças, Cáceres, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Rondonópolis, Sinop, Sorriso e Tangará da Serra.

Belo Horizonte (MG) – Protesto está acontecendo nesta tarde.

Ouro Preto (MG) – Em Ouro Preto às 15h, na porta da universidade federal)

São Luís (MA) – 18h, na Praça Maria Aragão

Avaré (SP) – 20h, estudantes e moradores promovem manifestação no Largo de São Benedito, região central, para cobrar moralidade na política. São esperados pelo menos mil manifestantes.

Fortaleza (CE) – antes e durante o jogo da seleção brasileira contra o México pela Copa das Confederações. Do lado de fora do estádio Castelão.

Vídeo publicado no YouTube por Liliana Oliveira às 16h28 mostra um trecho da passeata em Fortaleza

16h37 – PORTO ALEGRE – A desoneração de impostos e contribuições incidentes sobre componentes de custos do transporte coletivo, feita pelo governo federal, já levou alguns municípios do Rio Grande do Sul a reduzirem suas tarifas. Nesta quarta-feira, a passagem foi reduzida de R$ 2,85 para R$ 2,75 em Caxias do Sul e de R$ 2,75 para R$ 2,60 em Pelotas. Em Alvorada a tarifa cairá de R$ 2,90 para R$ 2,70 nesta sexta-feira. Em Canoas, o preço foi reduzido de R$ 2,65 para R$ 2,60 em fevereiro.

Na capital, uma nova manifestação pela redução das tarifas do transporte coletivo urbano está programada para a noite desta quinta-feira (20 de junho) em Porto Alegre. Os ativistas vão se reunir diante do Paço Municipal, sede da prefeitura, às 18 horas

16h29 – BELO HORIZONTE – Cerca de 5 mil pessoas participam do protesto. Mas manifestantes estão tomando rumos distintos, com um grupo seguindo em direção à rodoviária e outro à Praça Rui Barbosa, onde foi instalado um telão para exibição do jogo da seleção brasileira contra o México pela Copa das Confederações e há forte presença policial. O objetivo do grupo, segundo a estudante Ludmila Fraga, de 20 anos, é percorrer a avenida Cristiano Machado até a Cidade Administrativa, sede do governo mineiro.

Vídeo enviado pelo repórter Vítor Marques, enviado especial a Belo Horizonte

Na tarde de hoje devem chegar à capital 60 homens da Força Nacional de Segurança. Na noite de ontem, o governo informou que 150 integrantes da tropa haviam desembarcado no Estado, mas a chefe do Comando de Policiamento da Capital (CPC), coronel Cláudia Romualdo, confirmou que a primeira parte do reforço chega hoje a Belo Horizonte, onde outros 106 integrantes da força desembarcam na sexta-feira. O reforço foi solicitado pelo governador Antonio Anastasia (PSDB) à presidente Dilma Rousseff na terça-feira (18).

15h53 – BELO HORIZONTE – O clima ficou tenso na Praça Sete de Setembro, no Centro de Belo Horizonte, no terceiro dia seguido de protestos no local. Manifestantes entraram em atrito com o que classificaram de “vândalos infiltrados” no movimento, que começaram a estourar bombas em frente a prédios no entorno. Segundo os manifestantes, não há policiamento no local.

A praça é a mesma onde uma agência bancária e uma loja da operadora de telefonia Vivo foram completamente destruídas e saqueadas no fim da noite de terça-feira e início da madrugada desta quarta por um grupo de pessoas encapuzadas que promoveram ainda quebradeira em outro banco e no prédio da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). De acordo com a Polícia Militar (PM), 12 pessoas foram presas.

Cerca de 5 mil pessoas participam de manifestação em Belo Horizonte nesta quarta-feira. Foto: Vítor Marques/Estadão

15h47 – Depois de manifestações pararem importantes vias da zona sul de São e da Rodovia Anchieta, estrada que liga a capital paulista ao litoral, mais atos estão marcados para todo o Brasil. Entre as cidades com protestos agendados estão Niterói e Belo Horizonte, onde manifestantes fazem a terceira passeata seguida.

 

PELA MANHÃ: Protestos interditaram vias na Grande São Paulo

Após noite de caos na cidade de São Paulo, com ataque à Prefeitura e saques, esta quarta-feira, 19, começa com novos protestos. Funcionários da CET protestam por melhores salários e deixaram de montar faixas reversíveis na Radial Leste, Ponte das Bandeiras, Avenida Santos Dumont, Avenida Tiradentes e Estrada do M’Boi Mirim.

No Largo de Piraporinha, região sul de São Paulo, a Estrada do M’Boi Mirim está interditada no sentido centro por cerca de 300 manifestantes filiados ao Movimento dos Sem-Teto e Movimento pela Moradia. Eles protestam contra o aumento da passagem e fazem reivindicações locais, como melhorias no sistema de saúde. O trânsito está carregado na região. Também há manifestações em Taboão da Serra e no Grande ABC.

 A Rodovia Anchieta também foi bloqueada por um grupo de manifestantes na altura do km 18, sentido São Paulo.

Ontem à noite, a Rodovia Rio-Santos também foi interditada por manifestantes, na altura de São Sebastião.

Está com problemas no trânsito? Ajude outros motoristas a fugir dos congestionamentos mandando seu relato para o Estado. Durante todo o dia, recebemos informações e imagens de ruas e avenidas paradas com a hashtag #TransitoEstadao no Instagram. Não esqueça de citar o local, o número aproximado e o sentido. As principais dicas vão aparecer no nosso Instagram e no nosso site. Mande e receba informações sobre o trânsito na cidade de São Paulo também pelo twitter do Estadão, usando a hashtag #transito_estadao.

Acompanhe:

13h30 – Após dispersão na Estrada do M’Boi Mirim, as cerca de 50 pessoas que sobraram estão se dirigindo à Prefeitura.

13h18 – SP: A Polícia Militar deverá agir com mais rigor para impedir atos de vandalismo e saques durante os próximos protestos que forem realizados em São Paulo, prometeu o governador Geraldo Alckmin (PSDB) nesta terça-feira, 19.

13h16 – No Recife, tem manifestação programada para esta quinta-feira, 20, a partir das 16 horas, na praça do Derby, no centro da cidade. Ontem, governo de Pernambucano anunciou redução de R$ 0,10 nas passagens.

13h08 – Foi identificado pela Secretaria de Estado da Segurança Pública o rapaz  com rosto encoberto que deu início ao tumulto no protesto de ontem contra o aumento da passagem de ônibus, realizado no centro de São Paulo. O DEIC obteve na Justiça mandado de prisão temporária do rapaz.

13h04 – SP: A Prefeitura usa máquinas para remover pichações dos prédios.

13h – Em Fortaleza: Organizadores da passeata que acontece em Fortaleza, horas antes do jogo Brasil x México no estádio Castelão, disseram nesta quarta-feira, 19, que todos os esforços são para um protesto pacífico. Eles reconheceram, no entanto, que não têm como controlar possíveis atos violentos.

“A linha geral é que seja um ato pacífico que consiga dialogar com a população. Tentamos organizar, temos uma comissão de segurança. Não temos como controlar qual vai ser a linha de cada um. Se a polícia tiver consciência de não estabelecer situação de conflito, o ato tende a ser pacífico”, disse o jornalista Livino Neto, integrante da comissão de comunicação da manifestação, chamada Mais Pão Menos Circo.

Entre os pontos que motivaram o protesto estão os gastos excessivos e as remoções de famílias para obras da Copa, a violência contra os jovens e a má qualidade do transporte público.

Embora seja filiado ao PSOL, Livino Neto disse que o protesto não tem conotação partidária. “São pessoas com várias pautas, é um movimento bem livre, bem solto”, afirmou.

Integrante do Levante Popular da Juventude, movimento social sem vínculo partidário, Laryssa Sampaio também reforçou a preocupação dos organizadores em garantir a segurança dos manifestantes. “Não temos como controlar, mas não queremos confronto”, afirmou.  Por Luciana Nunes Leal

12h47 – A previsão da Prefeitura de São Paulo é que um projeto de lei que desoneraria o setor do transporte público municipal seja votado no Senado na próxima terça-feira, 25. Se aprovado, o valor da passagem de ônibus cairiam imediatamente, segundo o prefeito, Fernando Haddad. 

Após ser publicado no Diário Oficial da União, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (e qualquer outro prefeito do País) estará habilitado a reduzir o valor da tarifa do transporte público. Por Caio do Valle.

12h39 – SP: A manifestação feita no M’Boi Mirim se dispersou.

12h36 – No Rio, um novo protesto com o aumento da passagem de ônibus está marcado para esta quarta-feira, 19, em Niterói. Os manifestantes  discutem pelas redes sociais se a marcha seguirá em direção à Ponte Rio-Niterói para bloquear a via. A concentração ocorrerá às 17 horas na Praça Araribóia, próxima ao local das barcas que realizam o transporte de passageiros entre Niterói e o Rio de Janeiro. O ato estava programado para seguir o mesmo trajeto feito na última sexta-feira, 14, quando cerca de 2,5 mil pessoas caminharam em direção à Prefeitura e à Câmara Municipal.

12h33 – Nesta terça, Haddad se reuniu com a presidente Dilma para discutir projetos de lei que previssem a desoneração na área de transporte público em São Paulo.

12h28 – O prefeito apontou uma alternativa para baixar a passagem de ônibus: disse que se um projeto de lei que desonera o setor de transporte público for aprovado no Congresso, então o valor da passagem de ônibus pode ficar 7% menor. A medida já foi aprovada na Câmara e agora está tramitando no Senado.

12h20 – Sobre os atos de vandalismo ocorridos no protesto de ontem, Haddad disse que existem grupos no movimento que querem interditar o diálogo e afirmou que eles não confiam na democracia. “Infelizmente o debate tem sido  interditado por grupos que não confiam na democracia. São criminosos os que estão agindo nas ruas”, criticou.

12h15 – O prefeito afirmou que, se a passagem fosse mantida em R$ 3, o subsídio para o transporte aumentaria para R$ 2,7 bi em 2016.

12h12 – “As pessoas têm que compreender que essas escolhas são difíceis para o governante. Essas escolhas representam investimentos em outras áreas”, disse o prefeito.

12h07 – Neste momento, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), dá uma entrevista coletiva para falar sobre os protestos contra o aumento da passagem de ônibus. “Essa decisão (de reduzir o preço da passagem)  vai impactar em outras áreas do governo”, disse Haddad.

12h06 – Os manifestantes   invadiram o terminal Jardim Ângela, na zona sul.

11h52 – Pistas marginal e central liberadas no km 18 da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo. Lentidão do km 21 ao km 20, como reflexo da manifestação.

11h50 – Estrada do Campo Limpo está liberada de manifestação.

11h36 – Na zona sul, a Estrada do M’Boi Mirim continua ocupada por manifestação pacífica. Ruas do entorno não foram interditadas.

11h32 – Em coletiva, o subprefeito da Sé, Marcos Barreto, disse que 29 estabelecimentos comerciais foram danificados durante a manifestação de ontem. Os principais pontos de vandalismo foram a rua Direita, a rua São Bento, a Praça do Patriarca e a rua 15 de Novembro. O Teatro Municipal e a Prefeitura foram pichados. 350 pessoas foram acionadas para limpar o Centro, a avenida Paulista e a rua Augusta. 189 lixeiras de poste e sete bandeiras foram destruídas. Não há previsão de ajuda financeira aos lojistas. Por Victor Vieira

11h21 – Manifestantes voltam a ocupar totalmente a pista sentido São Paulo da Rodovia Anchieta, na altura do km 18.

11h15 – Manifestação continua interditando a Estrada do Campo Limpo, sentido bairro, próximo à Rua João Lunardelli.

11h14 – 56 km de lentidão em São Paulo. Principais lentidões:

• Marginal Pinheiros, sentido Interlagos, pista expressa, da Rodovia Castelo Branco até a Ponte Cidade Jardim (5,6 km)
• Avenida dos Bandeirantes, sentido Marginal, do Viaduto Jabaquara até o Viaduto Santo Amaro (4,0 km)
• Marginal Tietê, sentido Castelo Branco, pista expressa, da Ponte Atílio Fontana até a Rodovia Castelo Branco (2,9 km)
• Marginal Pinheiros, sentido Interlagos, pista local, da Rodovia Castelo Branco até a Ponte do Jaguaré (2,8 km)

11h01 – Moradores de um prédio ocupado na Rua Líbero Badaró ficaram apreensivos com os atos de depredação durante a manifestação de terça-feira, 18, no centro de São Paulo. Eles tiveram que deixar o prédio quando os manifestantes atearam fogo na agência bancária ao lado.

Vandalismo em prédio ocupado na Rua Líbero Badaró. Crédito: Victor Vieira/Estadão

10h55 – Para escapar da manifestação que ocupa o Paço Municipal em São Bernardo do Campo, a dica é seguir pela região de Baeta Neves, a partir da Rua Marechal Deodoro. Outra alternativa é pegar as Avenidas Atlântica e Winston Churchill.

10h46 – A Rodovia Régis Bittencourt está com o tráfego liberado no km 269, na região Taboão da Serra (SP). O tráfego ficou temporariamente restrito, devido à manifestações, que restringiram o tráfego por ambas as pistas. Os veículos seguem sem lentidão em ambos os sentidos da rodovia. Manifestantes marcham pela Estrada do Campo Limpo em direção ao terminal.

10h26 – M’Boi Mirim: Manifestantes agora se concentram na frente do Terminal Guarapiranga no sentido bairro, bloqueando as duas pistas nos dois sentidos da Estrada do M’Boi Mirim. 

Um homem foi levado para a 99ª DP sob acusação de provocar tumulto, mais cedo, em frente à subprefeitura. Por Luciano Bottini

10h22 – Avenida Prof Francisco Morato já está liberada de manifestação. Em Santo Amaro, um acidente na Ponte João Dias, sentido centro, ocupa duas faixas.

10h15 – 57 km de lentidão em São Paulo, com tendência de baixa. Principais lentidões:

• Marginal Pinheiros, sentido Interlagos, pista expressa, da Rodovia Castello Branco até a Ponte Cidade Jardim (9,3 km)
• Avenida dos Bandeirantes, sentido Marginal, do Viaduto Jabaquara até a o Viaduto Santo Amaro (4,0 km)
• Radial Leste, sentido Centro, da Praça Bernardino Brito F de Carvalho até o Viaduto Engenheiro Alberto Badra (3,0 km)
• Marginal Tietê, sentido Castello, da Ponte Atilho Fontana até a Rodovia Castello Branco (2,9 km)

10h13 – A Rodovia Régis Bittencourt está temporariamente interditada no km 269, na região de Taboão da Serra (SP), devido à manifestação. Na pista sentido São Paulo, o tráfego está parado do km 272 ao km 269. Na pista sentido Curitiba, o tráfego está restrito no local. Equipes da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal estão no local e acompanham os atos.

10h11 – M’Boi Mirim: Protesto chega ao fim e manifestantes começam a se dispersar. A Avenida Guarapiranga  foi liberada nos dois sentidos e veículos já transitam.

O Movimento dos Sem Teto afirma que havia guardas civis infiltrados que causaram o tumulto. A subprefeitura vai abrir uma sindicância para avaliar a atuação dos guardas civis, que responderam ao conflito com spray de pimenta e agressões.

10h05 – Paralisação da CET: Sindicato da categoria se reúne agora com a diretoria na sede da companhia.

10h03 – Manifestantes que ocupavam a Rodovia Anchieta fazem protesto agora no Paço Municipal, em São Bernardo do Campo.

9h59 – M’Boi Mirim: Briga foi controlada e manifestante que passou mal se recuperou. A reunião entre a comissão formada por manifestante e o subprefeito acabou.  Eles seguirão agora para a sede da Prefeitura para conversar com o secretário municipal de transportes.

Na reunião com o subprefeito, a comissão fez reivindicações antigas da região, como a duplicação da estrada do M’Boi Mirim e o estabelecimento de novas linhas de ônibus.

Foto: Werther Santana/Estadão

9h52 – M’Boi Mirim: Ativistas entram em confronto em frente à subprefeitura. Um dos manifestantes brigou com os demais e acabou machucado. Algumas pessoas tentaram o levar para dentro do prédio, causando mais confusão. Guardas usaram spray de pimenta. Um ativista passou mal e desmaiou. Por Luciano Bottini

9h34 – Depois de fechar a Rodovia Anchieta, grupo de manifestantes segue em direção a São Bernardo do Campo. Já a Rodovia Régis Bittencourt permanece interditada na altura de Taboão da Serra.

9h33 – Marginal Pinheiros tem 9,4 km de lentidão no sentido Interlagos, da Castelo Branco até a Ponte Cidade Jardim.

9h26 – Na sede da Prefeitura, funcionários e empresas contratadas realizam trabalhos de limpeza e troca de vitrais quebrados, após atos de vandalismo durante a manifestação de terça-feira, 18.

Foto: Epitácio Pessoa/Estadão

Manifestantes também destruíram lojas no centro. Na foto, a loja Magazine Luiza, após vandalismo.

Foto: Victor Vieira/Estadão

9h21 – 69 km de lentidão em São Paulo. Principais lentidões:

• Radial Leste, sentido Centro, da Praça Divinolândia até a Rua Wandenkolk (12,7 km)
• Marginal Tietê, sentido Castello, da Ponte do Piqueri até a Rodovia Castello Branco (5,4 km)
• Marginal Tietê, sentido Castello, da pista local, da Ponte do Piqueri até a Ponte dos Remédios (4,6 km)
• Avenida dos Bandeirantes, sentido Marginal, do Viaduto Jabaquara até o Viaduto Santo Amaro (4,0 km)

9h18 – Manifestação interdita pista da Avenida Prof Francisco Morato, sentido bairro, junto à Rua José Félix. Na Régis Bittencourt, as duas pistas estão bloqueadas em Taboão da Serra.

9h04 – Pista norte da Rodovia Anchieta totalmente liberada no km 23, no sentido São Paulo. Segue lentidão do km 25 ao km 23, como reflexo da manifestação.

9h01 – Na zona oeste, o trânsito na Avenida Professor Francisco Morato está desbloqueado nos dois sentidos. Já o sentido interior da Rodovia Régis Bittencourt está bloqueado pela passeata. Por Caio do Valle

8h58 – Manifestação no M’Boi Mirim: subprefeito Antônio Carlos Dias conversou com os manifestantes. Está sendo formada uma comissão de 12 pessoas para uma reunião e, em seguida,grupo deve ir até a Prefeitura para conversar com o secretário municipal de transportes. Por Luciano Bottini

Foto: Werther Santana/Estadão

8h56 – Atos de vandalismo durante a manifestação no centro de São Paulo na noite de ontem deixaram duas agências bancárias bastante danificadas. Nas fotos, uma agência do Banco Itaú. Por Victor Vieira


 

Veja a opinião do gerente de marketing José Roberto Paganino sobre os protestos:

Fotos e vídeo: Victor Vieira/Estadão

8h50 – Na zona oeste, manifestantes deram meia volta e passaram a retornar para a Rodovia Régis Bittencourt. A pista sentido Taboão da Serra da Avenida Professor Francisco Morato seguia totalmente bloqueada por volta das 8h40. Por Caio do Valle.

8h45 – A CET recomenda que os motoristas e usuários evitem a região da Estrada do M´Boi Mirim e da Avenida Guarapiranga devido à presença de manifestantes na via. A movimentação dos manifestantes teve início por volta das 7h.

Além disso, há manifestantes na Avenida Francisco Morato, ocupando a via em ambos os sentidos, junto à Avenida Dr. Guilherme Dumont Villares. Diante dessas ocupações, a CET reitera a recomendação de se evitar as regiões da Estrada do M´Boi Mirim e das avenidas Guarapiranga e Francisco Morato, na zona Sul da cidade.

8h44 – M’Boi Mirim: O grupo de manifestantes se dividiu e uma parte menor segue em direção à Marginal Pinheiros. O restante continua aglomerado em frente à subprefeitura de M’Boi Mirim. Agora, as duas pistas da Estrada de Guarapiranga estão bloqueadas. Por Luciano Bottini

8h42 – Após a manifestação que tomou o centro de São Paulo na noite de ontem, vários pontos amanheceram destruídos, entre eles agências bancárias, lojas, edifícios e postos policiais. Atos de vandalismo atingiram principalmente a sede da Prefeitura e lojas da Rua Direita. A fachada da Prefeitura foi pichada e funcionários fazem a remoção das pinturas. Por Victor Vieira

 

Foto e vídeo: Victor Vieira/Estadão

8h31 – Em São Paulo, 52 km de lentidão. Principais lentidões do momento, segundo a CET:

Radial Leste, sentido Centro, da Praça Divinolândia até o Viaduto Pires do Rio (8 km)
Marginal Tietê, sentido Castelo Banco, da Ponte do Piqueri até a Rodovia Castelo Branco (5,4 km)
Marginal Tietê, pista Local, sentido Castelo Banco, da Ponte do Piqueri até a Ponte dos Remédios (4,6 km)
Avenida dos Bandeirantes, sentido Marginal, do Viaduto Jabaquara até o Viaduto Santo Amaro0 (4 km)

8h30 – Largo do Piraporinha: Manifestantes dizem que não têm condição de organizar uma comissão de 12 pessoas devido à quantidade de gente. Eles afirmam não ter como controlar a multidão e pedem a presença do secretário de transportes Jilmar Tatto com urgência. Prefeitura alega que o secretário não conseguiria chegar no local agora por causa do trânsito. Por Luciano Bottini Filho

Foto: Luciano Bottini Filho/Estadão

8h26 – Cerca de 300 pessoas bloqueavam por volta das 7h45 a Rodovia Régis Bittencourt em Taboão da Serra, na Grande São Paulo. Os manifestantes protestavam contra o aumento das tarifas de ônibus, metrô e trem.

8h25 – Protesto no Largo de Piraporinha: Manifestantes estão parados na frente da subprefeitura do m’Boi Mirim. Querem entrar, mas não agem com violência. Eles vão formar uma comissão para falar com o subprefeito Antônio Carlos Dias. A assessoria da subprefeitura conversa agora com lideranças do movimento. Há policiais militares e agentes da Guarda Municipal no local.

8h16 – Na zona oeste, a Avenida Francisco Morato também está fechada na altura do Largo do Taboão, sentido centro. Uma manifestação organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto e o Movimento Passe Livre ocupa a via.

8h04 – Manifestação no Largo de Piraporinha: segundo a Polícia Militar, mil pessoas seguem agora pela Estrada de Guarapiranga, ocupando totalmente a pista no sentido centro.

7h57 – Manifestantes seguem pela Estrada do M’Boi Mirim e se aproximam do terminal Guarapiranga, no sentido centro. Vídeo: Victor Andrade

 

7h50 – Manifestação já interdita a Estrada do M’Boi Mirim, sentido centro, após a Avenida Inácio Dias da Silva.

7h19 – A Avenida dos Bandeirantes tem 5,1 km de lentidão no sentido Marginal, entre os Viadutos Aliomar Baleeiro e Santo Amaro.

7h17 – O rodízio de carros funciona normalmente hoje, segundo a CET.

7h15 – Na Radial Leste, quase 10 km de lentidão a partir do metrô Vila Matilde em direção ao centro.

7h05 – Rodovia Raposo Tavares tem tráfego lento do km 26 ao 19 e do km 15 ao 10 no sentido São Paulo, devido ao excesso de veículos.

6h50 – 15 km de lentidão em São Paulo. A Marginal Pinheiros tem 1,7 km de trânsito lento no sentido Castelo Branco, da Ponte Transamérica até A Rua Doutor Rubens Gomes Bueno.

6h47 – Radial Leste tem 8 km de congestionamento no sentido centro, muito acima do normal para o horário, devido à falta de faixas reversíveis. As retenções vão do metrô Vila Matilde até o Viaduto Pires do Rio. Na pista expressa, o trânsito está travado do Viaduto Pires do Rio até a Avenida Brasil.

6h34 – Na zona sul, pelo menos 20% da viação Cidade Dutra não vão circular porque os ônibus foram depredados. Cerca de 350 mil passageiros são atendidos pela empresa.

6h27 – Após a interrupção da Linha 9 – Esmeralda na noite de ontem, devido a depredações de manifestantes, os trens voltaram a circular normalmente nesta manhã. Todas as linhas funcionam sem problemas.

6h26 – Após a interrupção da Linha 9 – Esmeralda na noite de ontem, devido a depredações de manifestantes, os trens voltaram a circular normalmente nesta manhã. Todas as linhas funcionam sem problemas.

 6h25 – Sem a faixa reversível, a Radial Leste já apresenta 2 km de congestionamento no sentido centro, desde o metrô Vila Matilde até o Viaduto Alberto Badra. Também há reflexos na Avenida Aricanduva

6h23 – Sem a faixa reversível, a Radial Leste já apresenta 2 km de congestionamento no sentido centro, desde o metrô Vila Matilde até o Viaduto Alberto Badra. Também há reflexos na Avenida Aricanduva.

6h18 – Agentes da CET fazem uma manifestação na zona leste da capital para aumento de salário. Com isso, as faixas reversíveis da Radial Leste, Ponte das Bandeiras, Avenida Santos Dumont, Avenida Tiradentes e Estrada do M’Boi Mirim não vão funcionar nesta manhã.

comentários (23) | comente

Concentração da passeata na Praça da Sé, centro. Foto: Márcio Fernandes/Estadão

03h15 – O sétimo protesto organizado pelo Movimento Passe Livre está marcado para esta quinta-feira, 20, às 17h, na Praça do Ciclista, na Avenida Paulista, na altura da Rua da Consolação. A página do evento só foi criada após a meia-noite, mas já tem 30 mil pessoas confirmadas às 3h15. No discurso de chamamento à população, o movimento diz que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Fernando Haddad (PT) têm ignorado a pressão popular.

Na chamada, os líderes do movimento dizem que São Paulo vive dias de revolta popular. Eles comentam que os protestos se espalharam por várias regiões da cidade, como Cidade Dutra e Raposo Tavares. “O tamanho das últimas manifestações e a radicalidade assumida pelos manifestantes em episódios como os que ocorreram nessa terça em frente à Prefeitura e segunda em frente ao Palácio do Governo só evidenciam o caráter insustentável da opção de Alckmin e Haddad pela intransigência”, diz o texto, que pergunta até quando o prefeito e o governador vão esperar.

00h36 –Algumas pessoas ainda estão sendo detidas na região da Paulista perto da Praça do Ciclista por suposta agressão à polícia. Há poucas pessoas no local. A Polícia Militar informou, via Twitter, que o número de presos só será confirmado amanhã. A reportagem do Estado apurou que 47 pessoas foram presas.

00h35 – Vídeo postado no Youtube pelo internauta Lucas Nobre mostra parte da manifestação na Avenida Paulista, mais cedo nesta noite. Entre vários cantos, o Hino Nacional.

00h30 – Manifestantes tentam remover pedaços de uma instalação publicitária ligada à Copa na Avenida Paulista que tem em sua composição várias latas. Policiais imobilizaram um desses manisfestantes.

00h24 – “Grupo sentado em frente aos policiais não são vândalos. Os vândalos destruíram e correram. Ato pacífico finaliza sem problemas”, informa a PM em seu Twitter.

00h15 – Um grupo de mascarados desce a Consolação atacando pedras  e tentando atear fogo no que está pela frente.

00h09 – Um grupo de manifestantes ateou fogo em um monumento da Copa e começou  a atacar pedras nos policiais. A Tropa de Choque, que ainda não tinha entrado em ação na Paulista, revida.

23h53 – Ao menos 47 pessoas foram presas por saques e depredações de lojas no centro da cidade. Segundo a polícia, o grupo é formado por moradores de rua e usuários de droga. Entre os produtos apreendidos com os detidos estão televisores de plasma, micro-ondas, jogos de copos e talher, roupas e até um fogão de quatro bocas, que era carregado em plena Praça da Sé. “Eu comprei”, disse o homem pego em flagrante. Os casos foram registrados no 1º DP (Liberdade), 8º DP (Mooca) e 78º DP (Jardins).

Várias lojas foram saqueadas no centro de São Paulo. Foto: Epitácio Pessoa/Estadão

23h41 –  A polícia Militar informa em sua conta  no Twitter que a Tropa de Choque atua em atos isolados de vandalismo na Rua Augusta. Há um esforço da corporação em distinguir grupos radicais da maioria de manifestantes pacíficos na Avenida Paulista. Veja abaixo os comentários da PM no microblog:

“Tropa de Choque isola atos de vandalismo na Augusta. Avenida Paulista segue  manifestação pacífica e ordeira.”

“Augusta com Luís Coelho: vândalos montam barricada contra o Choque PM. Não são os jovens pacíficos manifestantes da Paulista.”

A Polícia Militar disparou bombas de gás para dispersar manifestantes na frente da Prefeitura de São Paulo mais cedo. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

23h40 – O prefeito Fernando Haddad dará coletiva às 10h desta quarta-feira para comentar os protestos desta terça-feira.

23h28 – As pessoas estão tentando bloquear a esquina da Rua Padre João Manuel com a Avenida Paulista, e a polícia tenta abrir. Veja relatos de moradores da região publicados no Facebook:

“Muitas bombas na Augusta. Moradores da região reclamando muito de gás lacrimogêneo entrando em suas casas”, Adriano Cintra

“Choque subindo pra Paulista, jogando bomba na Augusta, Frei Caneca, Roosevelt, Peixoto Gomide.F.De novo.” Julia Porto

“Tropa de choque acaba de atirar no apartamento do Claudio Prado, sexto andar de um prédio na Rua Augusta. Seu filho, o Leo, estava filmando a ação na rua”, Bruno Torturra

“Explosões aqui pela Matias Aires e tropas de choque na Augusta e São Luiz”, Lorena Sganzerla

23h22 – Utilizando bombas de gás lacrimogêneo, a Tropa de Choque está subindo a Rua Augusta em direção à Avenida Paulista. No momento, há uma grande correria. As pessoas se aglomeram próximo ao Conjunto Nacional. O Choque quer abrir a Paulista. Também há viaturas dispersando manifestantes na região do Masp.

23h13 – A manifestação começou quando dezenas de pessoas que já participavam do ato desta terça contra o aumento da tarifa de ônibus desceram a Rua Augusta. Ao chegar no endereço de Haddad, o bloco ganhou o reforço de vizinhos do prefeito, incluindo moradores do próprio prédio em que ele mora com  a mulher e os filhos.

Os manifestantes entoam palavras de ordem: “Haddad nós paramos a cidade”, “Não é só ‘busão’, também tem corrupção” e “Brasil, vamos acordar, o professor vale mais do que o Neymar”.

Privilégios de políticos, como o uso de passaportes diplomáticos e de jatinhos também foram alvos dos manifestantes, que aproveitaram para pedir cadeia aos condenados no julgamento do mensalão. (Fernando Gallo)

Cerca de 150 manifestantes reunidos na porta do prédio onde mora o prefeito Fernando Haddad, no Paraíso, zona sul. Foto: Fernando Gallo/Estadão

23h03 – De acordo com a assessoria do prefeito Fernando Haddad, ele está em seu apartamento com a família e estaria cogitando cancelar um compromisso na manhã desta quarta-feira, 19, em Brasília, por causa das manifestações em frente ao seu prédio.

22h49 – Cerca de 150 pessoas protestam na frente do prédio onde mora o prefeito Fernando Haddad (PT), no Paraíso. A manifestação, pacífica, é acompanhada por quatro viaturas da Polícia Militar.

22h46 – Uma briga entre lideranças da passeata e um grupo minoritário de punks no vão livre do Masp quebrou por alguns instantes o clima pacífico que predomina na Avenida Paulista nesta noite. Cerca de 30 mil pessoas estão no local, segundo estimativa da PM.

22h47 – Numa bela cena nesta noite, policiais militares atenderam ao pedido de manifestantes no centro e se sentaram, como uma demonstração de pacifismo. O vídeo abaixo, publicado no Youtube pelo usuário ludehenrique2cia às 2155, mostra o momento. Um dos policiais chegou a sorrir.

22h44 – A Prefeitura informou em nota que recebeu um relato de uma tentativa de invasão ao Teatro Municipal e todas as entradas foram fechadas. “Os vitrais na fachada foram pichados. Ainda não é possível avaliar a extensão dos danos ao edifício”, diz o comunicado.

Cerca de 300 pessoas estão dentro da sala de espetáculo, onde ocorreu a última resta da ópera Rake´s Progress, com previsão de término às 22h30. Além do público, há outras 100 pessoas no local, entre funcionários, seguranças, equipe de manutenção, músicos e artistas.

Funcionários do teatro optaram por não interromper o espetáculo e acalmaram o público nos momentos mais tensos. A saída será permitida quando houver confirmação de segurança nas redondezas.

22h34 – Pelo menos duas outras estações da CPTM, além da Morumbi, foram depredadas nesta terça-feira: Cidade Universitária e Berrini. O resultado é que a linha inteira foi fechada no início da noite. Até por volta das 22h, pessoas aguardavam na porta de várias estações, tentando voltar para casa, na expectativa de que os serviços fossem retomados. Funcionários, porém, começaram a informá-las de que as operações só seriam reiniciadas no dia seguinte. Na Estação Jaguaré, um cartaz escrito à mão foi colado no portão, dizendo: “Devido a atos de vandalismo a estação permanecerá fechada até segunda ordem”.

Cartaz na Estação Jaguaré depois do ataque de vândalos. Foto: Bruno Deiro/Estadão

22h23 – Mais cedo, passageiros viveram momentos de pânico na Linha 9 – Esmeralda da CPTM. Vários trens foram apedrejados, mesmo com pessoas dentro, depois que a operação foi interrompida no sentido Grajaú por causa de uma falha operacional. Os usuários contaram que tiveram que deitar no chão para se proteger da “chuva de pedras” atiradas por vândalos que haviam descido dos próprios trens. Alguns chegaram a gritar e escrever mensagens dizendo “somos trabalhadores também”.

Um trem que chegava na Estação Morumbi, zona sul da cidade, apresentou problemas no fim da tarde, por volta das 16h40. Um grupo de passageiros não se conformou com a demora para retomada das operações e começou a depredar o trem e a estação. A sala de controle, ao lado da bilheteria, foi invadida. Os vidros foram quebrados e os monitores das câmeras de controle, queimados. Um funcionário da estação contou que “até a polícia ficou com medo” de entrar no local, por causa da violência das depredações. Ninguém foi preso. Passageiros contaram que os vândalos não se identificaram com membros de nenhum movimento popular.

22h30 – Veja galeria de fotos do protesto desta terça-feira:

22h27 – A Tropa de Choque faz uma varrição no centro da cidade para tentar localizar os grupos radicais e saqueadores que destruíram portões e saquearam lojas.

Tropa de Choque na Rua Direita depois de saqueadores agirem. Foto: Epitácio Pessoa/Estadão 

22h22 – A Prefeitura divulgou uma nova nota informando sobre a situação no prédio da administração municipal. Leia íntegra:

“O prédio da Prefeitura permanece fechado após as tentativas de invasão. Um dos GCMs que ficou ferido foi atendido no posto médico da Prefeitura e levou nove pontos na cabeça. O outro teve uma contusão no rosto.

A segurança interna do edifício está sob responsabilidade da Guarda Civil Metropolitana. Por volta das 20h, quando a situação se tornou mais crítica, a Polícia Militar foi acionada.

O chefe da assessoria militar da Prefeitura acompanhou os eventos de dentro da sala de situação do gabinete do prefeito e foi orientado pelo secretariado, por volta das 20h, a pedir apoio da Polícia Militar. O contato foi feito diretamente com o comando da PM. A força tática da PM chegou ao prédio por volta das 20h45.”

22h06 –  A Tropa de Choque caminha agora pelas ruas do centro para conter grupos que praticam atos de vandalismo e saqueiam lojas.  Eles caminham no sentido do Viaduto do Chá.

22h03 – Os EUA “estão monitorando” a onda de protestos no Brasil, afirmou nesta terça-feira, 18, o porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki, em entrevista a jornalistas, em Washington. Psaki elogiou as centenas de milhares de brasileiros que saíram às ruas nos últimos dias, dizendo que “manifestações pacíficas, como as que estão ocorrendo, são parte do que significa a democracia”.

O porta-voz da diplomacia americana definiu os manifestantes como “cidadãos expressando suas opiniões e envolvendo líderes do governo em assuntos importantes para eles”. Até o momento, Departamento de Estado não havia divulgado recomendações especiais a americanos que visitam ou estão a caminho do Brasil.

21h59 – Uma base médica móvel que tinha sido instalada na frente da Prefeitura teve de ser desmontada devido à insegurança provocada pelo confronto entre manifestantes mais radicais e a polícia. O grupo de apoio, que desde segunda-feira, 17, estava mobilizado para oferecer atendimento a eventuais feridos nos protestos, é formado por médicos, enfermeiros e estudantes das duas áreas.

O trabalho voluntário visou suprir a ausência de um atendimento médico mais oficial. O grupo chegou a atender quatro pessoas, antes de desmontar a base com a chegada do choque. Agora montaram uma nova base ao lado do Teatro Municipal.

21h47 – Imagens da TV Bandeirantes mostram um grupo com cerca de 50 pessoas saqueando uma loja da Claro em uma rua do centro da cidade. Esse mesmo grupo ateou fogo em uma outra loja. O Corpo de Bombeiros dá conta  de um foco de incêndio na Rua Líbero Badaró. Cinco viaturas estão a caminho.

Uma das lojas saqueadas no centro é da rede Magazine Luiza. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

21h38 – Um grupo de manifestantes pichou a fachada do Teatro Municipal, restaurado recentemente.

21h36 – Sobe para oito o número de pessoas presas  por tentativas de saques na região central durante os protestos.

21h33 – A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo divulgou nota informando que ao menos quatro pessoas foram presas pela PM no centro de São Paulo por ter saqueados lojas da região. No comunicado, a pasta informa que uma equipe da Força Tática está dentro do prédio da Prefeitura. Leia íntegra:
“Os poucos episódios de depredação registrados nas manifestações da noite desta terça-feira, 18,no centro de São Paulo são fatos isolados, provocados por uma pequena minoria. Os responsáveis estão sendo monitorados e serão investigados. A Polícia Civil já recebeu determinação da Secretaria de Segurança para abrir inquéritos. A pedido da Prefeitura a PM havia posicionado uma equipe da Força Tática no interior do prédio, mas avaliou que intervir em meio à multidão poderia prejudicar parte da maioria pacífica de manifestantes. Até o momento, pelo menos quatro pessoas foram presas pela PM ao tentar saquear lojas”.

21h27 – Manifestantes invadiram por volta das 20h os trilhos da Linha 7 – Rubi (Luz – Francisco Morato – Jundiaí) da CPTM e provocaram a paralisação da circulação de trens entre Perus e Francisco Morato das 20h às 21h. Segundo a assessoria de imprensa da CPTM, um grupo de manifestantes ocupou a linha a partir de passagens de níveis, trechos dos trilhos onde também há trânsito de veículos. Segundo usuários no Twitter, pelo menos 500 pessoas estavam nas ruas.

21h22 – A sala de controle da Estação Morumbi da CPTM, na Linha 9-Esmeralda, foi destruída por vândalos, que também atiraram pedras em trens (alguns deles com passageiros).

Sala de controle da Estação Morumbi. Foto: Bruno Deiro/Estadão

 

21h21 – A Prefeitura acaba de divulgar uma nota informando a situação dentro do prédio do governo municipal. Veja íntegra:

Cerca de cem homens da Guarda Civil Metropolitana, sob comando do secretário Roberto Porto (Segurança Urbana), fazem a segurança dentro do prédio da Prefeitura.

Houve tentativa de invasão pelo saguão do terceiro andar (Viaduto do Chá) e vidros foram quebrados. Há também tentativa de invasão pelo segundo andar (Rua Dr. Falcão). Um levantamento dos danos materiais será feito nesta quarta-feira, 19.Dois GCMs ficaram feridos e permanecem dentro do prédio.

A equipe de comunicação está de plantão no sexto andar. Parte do secretariado e funcionários do gabinete do prefeito acompanham os eventos na sala de situação, no quinto andar. Também estão dentro do edifício alguns repórteres e fotógrafos de veículos de comunicação.

O prefeito Fernando Haddad deixou o edifício por volta das 17h30 para uma reunião com a presidente Dilma Rousseff e, diante da situação, foi orientado a não retornar ao edifício.

Veja foto da destruição do portão:

Foto: Paulo Pinto/Secretaria de Comunicação da Prefeitura de São Paulo

21h13 – A PM chegou à Praça do Patriarca às 20h45 para evitar novos saques a lojas no local.

21h02 – Maior parte dos manifestantes se reúne agora na Avenida Paulista, totalmente interditada. A CET informa que agora somente a Paulista nos dois sentidos e a Avenida Senador Teotônio Vilela  no sentido centro estão ocupadas por manifestantes.

 

Manifestação é a segunda maior desde o dia 6 de junho, quando série de atos começou. Foto: Mateus Coutinho/Estadão

21h00Veja comentários dos internautas a respeito dos protestos em São Paulo e em outras capitais do Brasil.

20h58 – Está acompanhando os  protestos desta terça-feira em alguma cidade do Brasil? Envie fotos com a sua visão das manifestações. Poste com a hashtag #ParticipeEstadao em Instagram, Twitter ou Facebook. Quem preferir, pode postar também no mural do Facebook do Estadão.

20h51 – Em meio aos protestos que acontecem na região central de São Paulo, pelo menos duas lojas foram saqueadas, há pouco, na região da Praça Patriarca, da Rua Direita e da Rua São Bento. Imagens de TV mostraram pessoas saindo das lojas carregando eletrodomésticos. Há também a informação de que um banco teria sido invadido.

Neste momento, a maioria dos manifestantes está em outro local, na Avenida Paulista, onde a manifestação é pacífica.

20h41 – A Prefeitura informou que dois dos 100 homens da Guarda Civil que protegiam a entrada da sede da administração municipal  se feriram quando um grupo tentou invadir o prédio.  A assessoria disse também que o prefeito Fernando Haddad deixou o gabinete por volta das 17h30 para um encontro com a presidente Dilma Rousseff na zona sul e não presenciou a chegada dos manifestantes. No entanto, ainda há secretários no prédio, reunidos na “sala de situação” do edifício, de acordo com a assessoria. Os nomes dos que ainda estariam no Edifício Matarazzo não foram divulgados.

20h31 – Na Praça do Patriarca, centro, manifestantes depredavam agências bancárias. Um caminhão do Corpo de Bombeiros foi enviado ao local.

20h18 – Uma cabine da PM ao lado do Edifício Matarazzo, sede da Prefeitura, também foi depredada e incendiada.

20h10 – A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, apresentou agora há um pouco um estudo do governo federal sobre medidas já tomadas pelo Palácio do Planalto para garantir uma redução no preço das tarifas de ônibus de todo o País. Segundo o estudo do Planalto, a redução possível com as medidas de desoneração seria de R$ 0,23 na tarifa em São Paulo. Na manhã desta terça-feira, 18, o prefeito Haddad também admitiu pela primeira vez rever o preço da passagem de ônibus na cidade.

20h02 – Veja o que está sendo publicado no Twitter em um raio de 1,5 km da Prefeitura de São Paulo. Manifestantes continuam protestando no local. Há pouco, um grupo tentou derrubar um furgão de transmissão da TV Record. O veículo foi completamente queimado.

Furgão da TV Recordo que fazia a cobertura na Prefeitura foi totalmente queimado. Foto: Reprodução/TV Record

19h59 – Uma manifestação interdita a Avenida Belmira Marin, sentido centro, junto ao Parque das Árvores, no Grajaú. Não há confirmação se se o ato tem a ver com os protestos para a redução da tarifa de ônibus.

19h58 – Black Blocks seguem pichando a Prefeitura. “Quebrar, quebrar é a melhor maneira de se manifestar”.

19h56 – Uma manifestação também interdita a pista local da Marginal do Pinheiros, sentido Castelo Branco, junto à Avenida Padre José Maria.

19h47 – O usuário do Instagram sukevicius postou a foto abaixo. Ele estava na Linha 9-Esmeralda, suspensa por conta de vandalismo. “Um trem foi depredado. Muita fumaça e correria”, ele escreveu.

 

19h43 – Um grupo também segue pela Ligação Leste-Oeste sentido Avenida 23 de Maio, interditando a via.

19h42 – A Rodovia Raposo Tavares está bloqueada nos dois sentidos no km 33 por conta de uma manifestação. O DER-SP confirma o bloqueio, mas não sabe informar a razão da manifestação.  Veja a situação do trânsito em São Paulo.

19h35 – A Avenida Paulista está completamente interditada pelos manifestantes. E há diversas outras vias da cidades com bloqueios parciais ou completos. Parte dos manifestantes que subia pela Consolação decidiu tomar o Elevado no sentido 23 de Maio.

19h28 – A Linha 9-Esmeralda está com o funcionamento suspenso por conta de depredação de alguns manifestantes desde as 18h50. O PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) foi acionado para a locomoção de passageiros.

19h26 – Parte dos manifestantes já chegou à Avenida Paulista. Existe um grupo que segue pela avenida Brigadeiro Luís Antônio, interditando a pista no sentido Paulista, e outro sobe a Rua da Consolação, já na altura da Praça Roosevelt, com o mesmo destino: Paulista.

Acompanhe tudo sobre o trânsito na cidade

19h24 – Segundo o Datafolha, a  manifestação reúne cerca de 50 mil pessoas.

19h23 – Vídeo mostra diversos manifestantes fazendo um cordão de isolamento na frente da prefeitura pedindo para não haver vandalismo

19h21 – Um grupo pichou  as paredes da Prefeitura, quebrou vidraças e rasgou as bandeiras do Estado e da cidade. Boa parte era de Black Blocks, punks com roupas pretas e rostos cobertos por máscaras e lenços. Tentaram também atear fogo na bandeira de São Paulo.

19h06 – Dois grupos, um contra, e um pró-vandalismo, discutem na frente da Prefeitura. Um grita: “Sem vandalismo”; o outro responde: “Sem moralismo”, e tenta repetidamente atacar o prédio. Veja imagens do repórter Mateus Coutinho:

19h03Veja galeria de fotos  do protesto

18h56 – Os manifestantes contrários ao vandalismo recolocaram as grades e procuram conter os ânimos. “Sem violência”, gritam, enquanto fazem um cordão de isolamento para bloquear a passagem dos mais exaltados.

18h49 – Um grupo radical de manifestantes tentou invadir a Prefeitura. A Guarda Civil Metropolitana recuou e entrou no Edifício Matarazzo. Depois de fechada, a porta teve o vidro quebrado. A GCM está atacando  gás de pimenta de cima do prédio. Ao ver a ação dos poucos indivíduos exaltados, a maior parte dos manifestantes deixou o local e agora segue no sentido da Avenida Paulista.

18h44 – Grupo de manifestantes removeram as grades metálicas que protegem a Prefeitura em uma tentativa de invasão. A Guarda Civil montou um cordão de isolamento para impedir que os manifestantes avancem.

18h39 – A presidente Dilma Roussef reagiu positivamente aos protestos que tomaram 12 capitais e o Distrito Federal na noite de segunda-feira.  “O Brasil acordou mais forte”, afirmou, um dia depois de manifestantes invadirem a cúpula do Congresso Nacional em Brasília.

18h35 –  A presidente Dilma Rousseff está reunida neste momento com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em um hotel da zona sul da capital paulista, discutindo uma estratégia para avaliar qual ajuda política poderá dar ao prefeito da capital, o petista Fernando Haddad, em razão das manifestações que estão tomando conta das ruas de São Paulo nos últimos dias.

18h34 – A PM já elevou para 12 mil a estimativa do número de manifestantes na região central de São Paulo.

18h32 – Parte dos manifestantes que está na Prefeitura diz que pretende seguir para a Avenida Paulista, destino de todos os atos pela redução da tarifa que ocorreram desde o dia 6. Antes de chegarem à Prefeitura, alguns dos manifestantes tomaram como caminho a Rua Direita. Veja vídeo feito nessa rua:

18h27 – A manifestação reúne 10 mil pessoas neste momento, segundo a Polícia Militar. A marcha corre de maneira pacífica e não houve nenhum incidente.

18h21 – Os manifestantes estão queimando bonecos com a cara do prefeito Fernando Haddad (PT) e do governador Geraldo Alckmin (PSDB).  ”Ei Haddad, tomamos a cidade”, gritam.

18h15 – Os manifestantes já chegam à frente da Prefeitura de São Paulo. Um grande grupo permanece na Sé. A manifestação é pacífica.

18h09 – Manifestantes se deslocam em direção à Prefeitura de São Paulo. Neste momento, estão no Vale do Anhangabaú.

18h08 – Entre os gritos ouvidos dos manifestantes na Sé, alguns pedem a renúncia da presidente Dilma Roussef.  ”Fora Dilma, fora Dilma!” Pela manhã, Dilma disse que o Brasil acordou mais forte após os protestos desta segunda-feira, 17, que reuniram 230 mil pessoas pelo país.

17h57 –  Nesta quinta-feira, estão previstas manifestações em várias cidades do interior. Em Campinas, o encontro será no Largo do Rosário, no centro, e cerca de 50 mil pessoas confirmaram presença através de redes sociais. Em Sorocaba, o movimento Domínio Público pretende levar mais de mil pessoas ao Largo do Canhão, no centro, contra o aumento na tarifa de ônibus, que subiu de R$ 2,95 para R$ 3,15. Será o terceiro protesto realizado na cidade. Estão planejados atos também em Ribeirão Preto, São Carlos e Botucatu.

17h50 – Os manifestantes já ocupam toda a Praça da Sé e devem seguir para a Prefeitura, próxima da praça, também no centro da cidade.

17h45 – Uma semana após manifestantes do Movimento Passe Livre serem chamados de “criminosos” e “deliquentes” no plenário da Câmara Municipal de São Paulo, o tom dos discursos mudou. Agora vereadores dizem que a tarifa zero é possível e defendem a revogação do reajuste – a passagem saltou de R$ 3,00 para R$ 3,20.

Na sessão iniciada às 15 horas no Palácio Anchieta, no centro, parlamentares de diferentes partidos tentam contar em cinco minutos (tempo regimental para uso da palavra) como foi a sua participação na passeata. Os elogios ao movimento são uníssonos.

17h37– Jogadores da seleção brasileira, que enfrenta o México nesta quarta-feira, 19, pela Copa das Confederações, em Fortaleza, manifestaram apoio às manifestações que vêm ocorrendo no País:
17h31 – O deputado estadual Major Olímpio (PDT) informou que vai convocar representantes da Polícia Militar e integrantes da Polícia Civil para uma “marcha cívica” até o Palácio dos Bandeirantes no dia 5 de julhopor melhores condições de trabalho e reajustes salariais.

Manifestantes já se concentram na Praça da Sé, no centro de São Paulo. Foto: Epitácio Pessoa/Estadão

17h23 – A CET recomenda aos motoristas evitarem a região central de São Paulo, por causa dos reflexos da manifestação. Acompanhe a situação do trânsito ao vivo.

17h20 – Veja a movimentação na Praça da Sé:

17h13Levantamento mostra que alta do transporte responde por 80% da inflação em São Paulo.

17h08 – No Rio, um grupo de manifestantes também se reúne em São Gonçalo, na zona oeste. Ontem, 100 mil pessoas marcharam pela capital fluminense. Um grupo tentou invadir a Assembleia Legislativa e houve confronto com a polícia. Nesta terça-feira, manifestantes contrários ao vandalismo voltaram ao local com panos e vassouras para limpar os estragos.

17h05 – Como na segunda-feira, as bandeiras de partidos políticos não são bem-vindas. Aqueles que tentaram ostentá-las foram reprimidos pelos demais.

16h58 – Fóruns do centro da cidade fecharam às 15h30 nesta terça por causa da manifestação na Sé. O  mesmo aconteceu com o Tribunal de Justiça Estadual. Normalmente o expediente se estende até as 19h. Os fóruns federais da capital e o Tribunal Regional Federal da 3ª Região também encerraram as atividades às 16h.

16h51 – Com exceção de um grupo que tentou invadir o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, na noite de segunda, a manifestação em São Paulo foi pacífica. Veja:

15h57 – O Movimento Passe Livre (MPL) marcou para esta terça-feira, 18, às 17h, a sexta manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus na cidade de São Paulo. Nessa segunda-feira, 17, a capital realizou a sua maior manifestação desde que os protestos começam, no dia 6, com cerca de  50 mil pessoas nas ruas, segundo a Polícia Militar. No Rio, o público chegou a 100 mil pessoas. No total, 12 capitais e o Distrito Federal tiveram manifestações ontem, com um total de 230 mil  participantes.  Em Brasília, a cúpula do Congresso Nacional foi invadida. Algumas cidades, como Recife e Porto Alegre, devem ter o valor da passagem diminuído depois das manifestações.

Veja fotos das últimas manifestações

Veja a cobertura completa dos protestos pelo País

Eduardo Campos anuncia redução da tarifa no Recife

Após  protesto e destruição, Porto Alegre terá redução de tarifa

 

A passeata desta terça-feira, 18, em São Paulo tem concentração na Praça da Sé. Mais de 180 pessoas jé confirmaram presença na página do MPL no Facebook e 1,9 milhão foram convidadas. O ato acontece depois de um encontro de representantes do movimento com o Prefeito Fernando Haddad (PT), na manhã desta terça. No encontro, Haddad admitiu pela primeira vez rever o aumento da tarifa. “Vou fazer uma reflexão sobre os números, sobre o que ouvi e vou dar uma resposta para o movimento e pronto”, disse ao final do evento.

Além disso, o prefeito afirmou que irá prorrogar em 30 dias o prazo para o término da consulta pública relativo aos novos contratos do sistema de ônibus. Com isso, a assinatura do contrato com as empresas e consórcios não ocorrerá mais em julho, como previsto originalmente.

Causas. O ponto de ligação entre os manifestantes nas diferentes cidades continuou sendo o protesto contra as tarifas dos transportes urbanos. Os repórteres do Estado verificaram, porém, que aumentou a variedade de grupos de insatisfeitos que aderiram aos protestos, com novas demandas.

A crítica à violência policial foi uma questão frequente e os gastos do governo federal com a Copa do Mundo também estiveram entre os alvos.

comentários (14) | comente

01h51 – Cerca de 100 manifestantes ainda se reúnem em frente ao Palácio dos Bandeirantes e prometem passar a noite em frente ao  Portão 2.

00h03 – Manifestantes forçaram motoristas de dois ônibus biarticulados que passavam pela Avenida Morumbi a bloquear a via. O grupo entrou nos coletivos, buzinou e roubou extintores, espalhando fumaça aleatoriamente. Cerca de 300 pessoas ainda estão no local. Veja vídeo da situação no momento:

 

23h57 – Veja o momento e que manifestantes conseguiram quebrar o Portão 2, destinado a visitantes, do Palácio dos Bandeirantes.

Depois de diversas tentativas, manifestantes conseguiram quebrar o portão do Palácio dos Bandeirantes. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

 

23h54 – Um grupo de manifestantes chegou à Prefeitura de São Paulo, no Viaduto do Chá, centro da cidade.

23h48 – Um grupo de manifestantes ainda se encontra na frente de um dos portões atacados no Palácio dos Bandeirantes.

Pichações perto do portão que foi quebrado por manifestantes no Palácio dos Bandeirantes. Foto: Tiago Dantas/Estadão

 

23h37 – A polícia atira mais bombas de gás de dentro do Palácio.

23h33 – Neste momento um outro grupo desce a Rua da Consolação e se encaminha para a Prefeitura, no centro da cidade.

23h23 – A tentativa de invasão do Palácio dos Bandeirantes deixou ilhados inúmeros funcionários que trabalham na sede do governo do governo paulista, no Morumbi. Segundo a assessoria de imprensa, manifestantes também jogaram bombas dentro do palácio e quebraram um dos portões na tentativa de invadir o local. Eles foram impedidos pela Polícia Militar que faz a guarda do Palácio. Até as 23h20, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) não havia se manifestado. Também não havia detalhes sobre quantos policiais guardam o local, ou se houve pedido de reforço. Também não ficou confirmado se a Alckmin receberia parte do grupo.

23h10 – Manifestantes conseguiram quebrar o portão do Palácio dos Bandeirantes. A PM respondeu com bomba de gás lacrimogêneo, mantendo os manifestantes afastados. A reportagem apurou que ninguém invadiu o Palácio. A frente do Executivo paulista tem cerca de 300 pessoas – boa parte correu e  se dispersou depois do revide da PM. Os manifestantes fizeram uma fogueira com galhos na frente do portão e picharam o muro com temas anarquistas.

22h54– Os manifestantes organizaram uma comissão com cinco pessoas para tentar um diálogo com representantes no Palácio do Governo – não foi confirmado se o governador Geraldo Alckmin (PSDB) está no local. “Todos precisam de representação, mas não sei se vão nos receber, porque os caras (parcela dos manifestantes) continuam chutando o portão.”

22h44 – Veja mapa com o trajeto da manifestação:

Clique na imagem para ver o mapa detalhado

22h29 – RECIFE – Integrantes de movimentos estudantis saíram em passeata nesta noite por volta das 21h, no bairro central da Boa Vista, no Recife. Eles ganharam as ruas depois de terem se reunido na sede do Diretório Central dos Estudantes (DCE), na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), para definir horário e local da manifestação a ser realizada nesta quinta-feira, 20).

O tema será a melhoria no transporte público, o fim da corrupção e os gastos realizados para a Copa das Confederações. Nas ruas, eles convidaram as pessoas a participarem da manifestação que será às 16h e terá ponto de encontro na praça do Derby, no centro da cidade. O trânsito chegou a ser bloqueado, pelos manifestantes, por pouco tempo, na avenida Agamenom Magalhães.

22h15 – O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, participou do protesto do Movimento Passe Livre. Ele estava passando a pé na frente do Masp com um assessor. Skaf elogiou o clima tranquilo do ato. “Está muito positiva a manifestação”, disse ao Estado. Enquanto estava na frente do Masp, um manifestante subiu numa pedra e começou a cantar o Hino Nacional. Skaf aplaudiu.

22h24 – MACEIÓ – Um estudante foi baleado por volta das 20h30 desta segunda-feira ao final da manifestação ocorrida na capital alagoana contra o aumento da tarifa de ônibus. Marcos Antônio – a Polícia Militar não soube precisar o sobrenome dele – participava de um bloqueio na Avenida Fernandes Lima, a mais movimentada da cidade, quando um motorista que tentou furar o bloqueio desceu do carro e disparou contra ele.

O tiro atingiu o rosto de Marcos Antônio de raspão. Ele foi encaminhado a um hospital da capital, mas não corre risco de morte. O acusado do disparo fugiu do local, mas a Polícia Militar informou que já tem a placa do veículo utilizado pelo suspeito.

No final da manifestação, a Polícia Militar estimou em cinco mil o número de participantes, três mil a mais do que os números divulgados pelo movimento Passe Livre, criado nas redes sociais para protestar contra o aumento das tarifas de ônibus. O grupo programa outra manifestação para esta quinta-feira, 20.

 

22h19Acompanhe a cobertura das manifestações desta segunda-feira, 17,  em São Paulo na Rádio Estadão.

22h16 – Mais cedo, manifestantes aplaudiram  e entregaram flores a dois PMs que estavam na Avenida Chucri Zaidan.

 

 

22h08 – O major Wilhelm teve de entrar no Palácio, onde dois pelotões da Força Tática e um da Tropa de Choque. Ao menos cinco morteiros foram atacados por um grupo de manifestantes contra o portão e para o interior do terreno onde fica o Executivo paulista. As pessoas começaram a se sentar a pedido de lideranças da passeata, que tentam conter os ânimos. Outros grupos deixaram o local e caminham pela Avenida Morumbi no sentido da Marginal do Pinheiros.

21h56 – Parte dos manifestantes ainda tenta entrar no Palácio do Governo. Dois morteiros foram atirados para o interior  do local.  A situação é tensa. Outros manifestantes tentam conter o grupo e há discussões.  A polícia  se encontra no interior do Palácio.

21h44 – Manifestantes cercam o Palácio dos Bandeirantes. Um grupo tentou forçar o portão de entrada. Parte dos manifestantes se mantém disposta a entrar na sede do governo. “O Palácio é nosso, vamos entrar lá”, gritam.

21h31 – Ao menos 20 policiais formaram uma fila atrás de cada um dos dois portões do Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, zona sul. Nos últimos minutos, bases comunitárias e viaturas chegaram ao local, onde os policiais aguardam a chegada da manifestação.  Um grupo com milhares de manifestantes, integrantes do Movimento Passe Livre e responsáveis pelo policiamento nesta noite estão na Avenida Morumbi. A ideia dos manifestantes é passar pela sede do governo paulista.

21h24 – BRASÍLIA – Os manifestantes dão um abraço simbólico no Congresso Nacional. Mais cedo,  grupos invadiram a rampa de acesso e foram contidos pela PM, que neste momento faz um cordão de isolamento em torno dos acessos.

21h03 – Os integrantes do Movimento Passe Livre que estão na Ponte Estaiada, na zona sul de São Paulo, informaram que pretendem seguir até o Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, sede do governo do Estado. Parte do bloco, no entanto, está se dispersando.

20h58 – A CET informa que manifestantes ocupam todas as faixas da Avenida 23 de Maio, sentido Aeroporto de Congonhas,  na direção do Túnel Ayrton Senna. A recomendação é que os motoristas evitem acessar a via.

20h52 – O sexto protesto contra o aumento da tarifa de ônibus em São Paulo está marcado para esta terça-feira, 18. A concentração será na Praça da Sé, às 17h.

20h32 – BELO HORIZONTE – Manifestantes entraram em confronto duas vezes com a Polícia Militar durante protesto realizado durante toda a tarde e início da noite desta sexta-feira, 17,em Belo Horizonte.

Durante o segundo confronto, surgiu a informação de que um rapaz que participava do movimento teria caído de uma altura de aproximadamente sete metros do Viaduto José Alencar, na região da Pampulha, mas polícia e o Corpo de Bombeiros ainda não tinham informação precisa sobre o caso até por volta das 20h, além de que a vítima teria sido atendida em estado grave. Manifestantes chegaram a dizer que o rapaz teria morrido, mas a informação não foi confirmada. Pelo menos outras duas pessoas ficaram feridas durante os confrontos.

Veja vídeo postado pelo internauta Sidney Silva Leal no YouTube com imagens da manifestação no período da tarde:

20h28 – RIO DE JANEIRO – Segue o enfrentamento entre policiais e manifestantes no centro da cidade. Na lateral da Assembleia Legislativa do estado, um carro foi virado e incendiado. O cenário é de desordem.

20h20 – Entre os vários gritos entoados pelos manifestantes, o governador Geraldo Alckmin foi um dos alvos. “Governador, pode escolher, ou cai a tarifa ou cai você”, cantava a multidão que desceu a Avenida Faria Lima sentido zona sul. Um outro grito atribuiu à violência dos últimos protestos à Polícia Militar. “Que coincidência! Não tem polícia, não tem violência”, disseram os manifestantes, que cobram a revogação do aumento das tarifas de transporte público em São Paulo. “Mãos ao alto, R$ 3,20 é um assalto”, cantou um grupo.

Veja vídeos dos gritos dos manifestantes:

Vídeos: Renato Vieira/Estadão

Vídeo postado no YouTube pelu usuário xiaboboi

20h13 – Parte  dos manifestantes ainda estão na Avenida Berrini e seguindo no sentido da Ponte Estaiada. A ponte está totalmente tomada por manifestantes, que seguem em direção à Marginal do Pinheiros.
20h04 – Veja os desdobramentos das manifestações em todo o País:

BRASÍLIA – Manifestantes invadem o Congresso

BELO HORIZONTE – Dez mil se dirigem ao Mineirão em protesto

RIO – Passeata ganha o apoio de trabalhadores

Governo está preocupado com as manifestações, diz Gilberto Carvalho

19h57 – RIO – Manifestantes tentam invadir a Assembleia Legislativa. Havia uma grande concentração em frente ao prédio, quando foi ouvido o estouro de uma bomba e parte dos manifestantes correram para o prédio, atacando contra  a fachada as grades de proteção e objetos em chamas. Os manifestantes também tentam invadir o Teatro Municipal, ao lado.  APM responde com balas de borracha e bombas de gás.

19h44 – O instituto Datafolha calcula uma participação de 65 mil pessoas no protesto pela redução da tarifa de ônibus na cidade. A PM tem uma estimativa o público em 50 mil pessoas.

19h43 – BELÉM – A leitora Larissa Rolim mostra imagem do protesto que acontece em Belém. A foto foi enviada para o Estadão via Facebook por Larissa.

Foto: Larissa Rolim

19h40GALERIA: “O povo, unido, governa sem partido” é um dos gritos dos manifestantes em São Paulo. Veja galeria de imagens dos protestos em todo o Brasil.

(Foto: Daniel Teixeira/AE)

» Veja a galeria de fotos completa

19h38 –  A CET  recomenda aos motoristas que evitem circular pela região da Avenida Paulista, onde  manifestantes começam a se encontrar – na Praça do Ciclista. A companhia informa que realizou um bloqueio operacional na esquina da avenida com a Rua Bela Cintra, sentido Consolação. O trânsito está  complicado no local. Acompanhe  a situação do trânsito na capital.

19h32 – Em São Paulo, as marchas se espalharam por três frentes: parte vai para a Avenida Paulista, parte segue pela Marginal do Pinheiros e parte segue pela Avenida Juscelino Kubitschek, também no sentido da Marginal do Pinheiros.

19h30Veja os comentários de internautas sobres os protestos em todo o Brasil.

19h35 –  Veja vídeo postado por um internauta mostra o momento em que manifestantes tentam subir a rampa do Congresso Nacional:

 

19h15 – BRASÍLIA – A situação é tensa. Os manifestantes se concentram em frente ao Congresso Nacional. Um grupo furou o bloqueio policial e invadiu o Congresso.

Manifestantes invadem o Congresso Nacional em Brasília. Um cordão policial contêm o bloco. Foto da usuária do Instagram polyannanoe

19h12 – PORTO ALEGRE – Centenas de jovens já estão diante do prédio da prefeitura de Porto Alegre para mais uma manifestação pela redução do valor das tarifas do transporte urbano, contra a Copa do Mundo e mais verbas para saúde e educação no Brasil. Convocados pelas redes sociais, os participantes começaram a se reunir por volta das 18h e devem sair em passeata pelas ruas centrais e do bairro Cidade Baixa ainda nesta noite. A caminhada, a exemplo das anteriores, tende a receber adesões e chegar ao final com milhares de pessoas. Na noite de quinta-feira houve depredações e 23 manifestantes foram detidos.

19h10 – RIO DE JANEIRO – A passeata que ocupa neste momento toda a Avenida Rio Branco ganhou durante o percurso o apoio de muitas pessoas que ainda trabalham em escritórios localizados na via ou esperam o fim da manifestação para ir para casa. Eles jogaram papel picado em sinal de apoio, e os manifestantes gritavam em agradecimento. “Quem apoia acende a luz”, gritavam da rua, e as luzes piscavam nos escritórios.

Duas grandes faixas na frente da multidão davam o tom do ato: “Não é por centavos, é por direitos” e “Somos a rede social”. Parte dos manifestantes que já chegaram à Cinelândia, que seria o ponto de dispersão, se encaminha agora para a Assembleia Legislativa do Rio – onde na semana passada começou a confusão com a PM. O prédio da Assembleia está cercado desde o começo do protesto para a proteção do edifício histórico.

19h09 – ”Brasil vamos acordar,o professor vale mais do que o Neymar”, dizem os manifestantes que passam pelo Shopping Iguatemi, na Avenida Faria Lima. (Felipe Mortara)

19h03 –  BRASÍLIA – O repórter da Rádio Estadão Ricardo Coletta informa que manifestantes tomaram o gramado central em frente ao Congresso e alguns tentaram invadir a rampa, mas logo foram contidos pela Polícia Militar, que fez uso de spray de pimenta. A situação é tensa e já teve um manifestante detido.

18h57 – MACEIÓ – Cerca de duas mil pessoas — segundo os cálculos dos líderes do Passe Livre, movimento criado nas redes sociais para protestar contra o aumento das tarifas de ônibus — realizaram, no fim da tarde desta terça-feira, 17, em Maceió, uma passeata em protesto contra o reajuste do preço da passagem de ônibus na capital alagoana.

O movimento, que se concentrou na Praça do Centenário, localizada no bairro do Farol, percorreu várias ruas da cidade, carregando cartazes com frases contra o aumento. Policiais Militares e agentes da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) acompanharam a mobilização, que teve tom pacífico e terminou diante da sede do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ-AL), no Centro de Maceió. A PM não soube estimar quantas pessoas – a maioria estudantes – participaram do ato. As fotos foram postadas por usuários do Facebook.

Foto enviada para o Estadão pelo internauta Bruno Albyran via Facebook.

18h50 – RIO DE JANEIRO – A Avenida Rio Branco é um dos locais ocupados por manifestantes. A foto abaixo foi postada no Twitter pelo usuário lucasbragas.

18h45 – SALVADOR – Uma caminhada em apoio às manifestações populares contra o aumento das tarifas do transporte público em São Paulo reúne cerca de 5 mil pessoas, neste momento, no centro financeiro de Salvador, segundo cálculos da Polícia Militar. O grupo segue pela Avenida Tancredo Neves, que reúne a maior concentração de escritórios na cidade, e segue para a Estação de Transbordo, onde os manifestantes pretendem embarcar gratuitamente em ônibus.

Milhares de pessoas participam da manifestação em Salvador. A imagem foi enviada pelo internauta Rafael Almeida para o Estadão.

A manifestação começou pequena, com cerca de 500 pessoas, a maioria estudantes, concentradas na frente do Shopping Iguatemi, o mais movimentado da cidade. Com a saída da caminhada coincidindo com o fim do turno de trabalho, os manifestantes passaram a convocar os funcionários das empresas instaladas na região para aderir à caminhada. “Vem, vem, vem para a rua, vem”, cantavam os integrantes do protesto.

A adesão dos trabalhadores foi grande e a manifestação bloqueia completamente a via, uma das mais importantes de Salvador. Entre vários gritos de guerra, os participantes protestam contra a corrupção nos governos e por melhorias no transporte, na educação e na saúde públicos.

A caminhada é considerada pacífica e está sendo acompanhada por agentes da Superintendência de Trânsito e Transporte do Salvador (Transalvador) e por policiais militares, em motos e em um helicóptero.

18h36 – SÃO PAULO – Parte dos manifestantes que seguiam pela Faria Lima estão agora na Avenida Berrini. A cidade tem agora 136 km de lentidão, acima da média para o dia e para o horário. A foto abaixo foi publicada pela usuária sammcosta no Instagram.

Protesto já reúne cerca de 30 mil pessoas, segundo a PM. A foto foi publicada no Instagram no perfil do usuário sammcosta.

18h24 – Em São Paulo, a marcha se aglomera principalmente sobre a Ponte Eusébio Matoso. Parte do bloco se dirige da Avenida Faria Lima para a Marginal do Pinheiros, enquanto outros grupos vem do Butantã para se juntar ao ato.   A Marginal Pinheiros está fechada no sentido Interlagos. Acompanhe a situação do trânsito na capital e as rotas para escapar da manifestação. A CET recomenda aos motoristas que evitem circular pela Região da Avenida Rebouças, Avenida Eusébio Matoso, Rua Teodoro Sampaio, Rua Cardeal Arcoverde, bem como pela Avenida Faria Lima e todo o seu entorno.

18h22 RIO DE JANEIRO – Cerca de 500 pessoas que participam do movimento contra o aumento do preço das passagens de ônibus fecharam a Rua Primeiro de Março, no centro da capital fluminense. Eles estavam na Praça Quinze e seguem para a concentração na Igreja da Candelária. Acompanhado de perto pela PM, que por enquanto só observa, o grupo evolui como um bloco de carnaval: toca instrumentos e canta. Alguns têm narizes de palhaço. Outros carregam flores. Uma mulher leva um bebê de poucos meses. Dois batedores da PM fazem uma espécie de escolta dos manifestantes.

Segundo a PM, que está ao redor da Candelária, já se concentram cerca de duas mil pessoas. Cartazes trazem mensagens como”Revolto-me, logo existo”, “Verás que o filho teu não foge à luta” e “Somos filhos da revolução”. A concentração de hoje está muito mais cheia do que a da última quinta-feira, quando o protesto acabou em confusão.

18h16 – Os manifestantes não estão deixando levantar a bandeiras de partidos, como do Psol, PCdoB, PSTU, que vinham aparendo nos demais protestos. A fila formada pela marcha se estende do Largo da Batata até a Avenida Rebouças. Muita gente ainda está chegando para acompanhar o ato. Leia reportagem sobre a composição do Movimento Passe Livre (MPL), responsável pela organização.

18h12 – A passeata em São Paulo reúne agora cerca de 30 mil pessoas, segundo a PM. Como se esperava, trata-se da maior desde  a onde de protestos pela redução da tarifa de ônibus, no dia 6.

18h02 –  Vai acompanhar um dos protestos desta segunda-feira por todo o Brasil? Envie fotos com a sua visão das manifestações. Poste com a hashtag #ParticipeEstadao em Instagram, Twitter ou Facebook. Quem preferir, pode postar no Facebook do Estadão.

Concentração de manifestantes no Largo da Batata, em Pinheiros, ponto inicial da passeata. A foto é da internauta Cristiane Bomfim e foi publicada no Instagram.

17h56 – Integrantes do MPL estão distribuindo folhetos com instruções de segurança no caso de prisões da por parte da PM ou da Polícia Civil. O informe diz o seguinte: para quem ligar no caso de detenção, para não se assinar nada sem a presença de um advogado, filmar o ato, gravar o nome dos policiais, ficar em silencio na falta de um advogado e não discutir com os policiais. Celulares de advogados voluntários que podem colaborar estão sendo distribuídos.

17h55 – O vereador Ricardo Young (PPS), da Comissão Municipal de Transportes, Gilberto Natalini (PV)e Toninho Véspoli (Psol) reúnem assinaturas para protocolar uma CPI do transporte na Câmara Municipal de São Paulo.Young “O colapso do sistema de transpor veio na forma dessas passeatas. Isso é uma ponta que mostra a falta de qualidade do transporte público e a situação caótica de locomoção. Precisamos abrir a caixa preta do sistema”, disse Young. Os vereadores pretendiam coletar ao menos 19 assinaturas.

17h52 – Acaba de ser anunciado que o protesto seguirá três caminhos distintos. Um grupo seguirá para a Avenida Paulista, outro seguirá para a Marginal Pinheiros e um terceiro descerá a Avenida Faria Lima em direção à zona sul da cidade.

17h48 – Um grupo de mães organizou um ponto “creche” na Rua Dardanelos, no Alto de Pinheiros, onde as mães que não têm onde deixar os seus filhos e querem ir ao ato contam com voluntários. Por hora, três crianças estão no local, mas a reportagem encontrou um grupo de cerca de 20 mães juntas. Entre elas, Ana Rusti, da Feirinha Gastronômica, que mobilizou aqueles que cozinham pra deixar alimentos nos pontos de apoio ao protesto.

Um deles fica na Rua Ferreira de Araújo, 1056. A ideia é que nesse ponto as pessoas que não conseguirem chegar em casa possam fazer uma parada. Eliana Santana, por exemplo, deixou a filha de 45 dias com o marido em uma unidade da livraria Fnac em Pinheiros e foi para o protesto. Ela se diz feminista militante. “Mesmo com uma criança pequena não poderia deixar de participar’, diz ela, que vai voltar pra amamentá-la. (Camila Hessel)

17h41 – Estudantes da USP subindo a Avenida Butantã.

Foto: Estadão

17h33 – “O povo, unido, governa sem partido”, gritam os manifestantes, ainda concentrados no Largo da Batata

17h16–  A manifestação reúne diversos setores da sociedade e entidades, da própria capital paulista e de diversas regiões do estado. O ato desta segunda-feira, 17, o quinto desde o dia 6, conta com o sindicato dos químicos de Campinas, o sindicato dos  metalúrgicos de São José dos Campos, professores da Universidade de São Paulo, pais de manifestantes presos nos outros protestos, bancários da região, atores e estilistas, como Alexandre Herchcovitch. “Protestar está na moda”, brincou. Os atores Gero Camilo e o empresário Facundo Guerra.

17h11 – PRF Fiscaliza vídeo em celular de passageira de ônibus: uma jovem de 27 anos afirmou que foi revistada por uma equipe da Polícia Rodoviária Federal dentro de um ônibus durante viagem de São Paulo ao Rio de Janeiro no início da noite desse domingo, 16. Veronica Linder, que é jornalista, disse que policiais examinaram fotos e vídeos em seu celular e perguntaram se ela tinha participado de alguma manifestação nos últimos dias. “O meu direito à privacidade foi violado”, afirmou a jovem em entrevista ao Estado.

Veja o relato da jornalista.

17h05 – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta segunda-feira, 17, que está “aberto ao diálogo” ao ser questionado sobre a possibilidade de redução da tarifa do transporte urbano, diante dos protestos que entram hoje sem sua segunda semana.

“O reajuste já foi dado abaixo da inflação, mas estamos sempre abertos ao diálogo.” Durante visita a Campinas, Alckmin afirmou que proibiu o uso de balas de borracha durante manifestações públicas e elogiou publicamente a liderança do Movimento Passe Livre, por duas vezes, durante entrevista aos jornalistas.
“Queria fazer uma elogio às lideranças do movimento e também à segurança pública e à Polícia Militar”, disse o governador. Ele afirmou que, após a reunião com integrantes do movimento na manhã desta segunda-feira, ficou acertado que nos novos protestos o comando da PM ficará em contato via rádio com os líderes das manifestações.

17h00 –  A segurança da manifestação é feita por um efetivo de 900 a mil homens, o mesmo efetivo empregado na quinta-feira passada, 13.

16h56 – A Avenida Faria Lima está fechada nos dois sentidos por causa da aglomeração de manifestantes. Acompanhe a situação do trânsito na capital. O comércio está com portas fechadas.

16h49 – Vai acompanhar um dos protestos desta segunda-feira por todo o Brasil? Envie fotos com a sua visão das manifestações. Poste com a hashtag #ParticipeEstadao em Instagram, Twitter ou Facebook. Quem preferir, pode postar no nosso mural no Facebook.

16h41 – Já reunidos no Largo da Batata, em Pinheiros, os manifestantes já gritam em coro que devem caminhar até Avenida Paulista. As lideranças do movimento não confirmaram o trajeto ainda.

16h16 – Depois da atuação da polícia na última manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus, criticada pelo uso de força, o governo do Estado descarta o uso da Tropa de Choque e de bombas de efeito moral no protesto marcado para esta segunda-feira, 17, que deve ser o maior dos já organizados pelo Movimento Passe Livre. “Acreditamos que não será necessário (usar setores como o Choque) porque a manifestação se dará de forma ordenada”, disse o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, em coletiva de imprensa realizada na tarde deste domingo, 16, em São Paulo. “Temos convicção, certeza de que a manifestação ocorrerá pacificamente”, reiterou Grella.

O ato será o quinto organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL) na capital paulista desde a quinta-feira retrasada, 6. A manifestação será acompanhada de outros protestos em diversas cidades brasileiras, como no Rio e em Belo Horizonte.

Veja também:

 Veja a cobertura completa do último ato em SP

 Governo de SP chama manifestantes para diálogo

 Atos são marcados em 27 cidades no exterior em apoio a protestos no Brasil

 Internet tem manual para orientar manifestantes

 Protesto tem adesão na web de 147 mil

 Repressão da PM em SP faz apoio a protestos crescer

Na sexta-feira, o comandante-geral da Polícia Militar, Benedito Roberto Meira, afirmou que a Tropa de Choque era uma “reserva estratégica” e disse que a ação do grupo poderia ser requisitada no protesto desta segunda-feira. Na coletiva deste domingo, contudo, Meira mudou o discurso: “Nossa expectativa é que essa manifestação seja ordeira e que não haja em hipótese alguma necessidade do emprego da Tropa de Choque”, afirmou. “Nós acreditamos que ela não será utilizada, não será empregada”, completou o coronel.
Veja imagens do último protesto em São Paulo

O governo paulista espera os líderes do movimento nesta segunda-feira na Secretaria de Segurança Pública do Estado, no centro da cidade, para definição conjunta do trajeto da manifestação. Com o diálogo, segundo Grella, o protesto deverá ser pacífico, sem necessidade de uso de bombas de efeito moral. O secretário também disse que nada está descartado em termos de rota, ao ser questionado se o governo permitiria que a manifestação utilizasse a Avenida Paulista, por exemplo.

“Nós não queremos que se repitam os fatos que aconteceram na semana passada. Nós queremos que a nossa cidade preserve aquilo que é certo e que é natural: uma manifestação livre, legítima, de expressão, de pensamento”, falou o secretário. Perguntado sobre a apuração de eventuais excessos na participação da polícia, Grella respondeu: “Quem se desviou das suas normas de ação e agiu abusivamente tem que responder de acordo com as normas.”

O comandante-geral da PM, Benedito Meira, afirmou ainda que policiais que não portarem tarjeta de identificação, se reconhecidos por foto ou vídeo, serão responsabilizados, já que a orientação é para que todos se identifiquem.

Vinagre. No último ato contra o aumento da tarifa, participantes do protesto que portavam vinagre – usado para proteção pessoal contra o efeito tóxico de bombas de gás lacrimogêneo – foram detidos. Hoje, Grella garantiu que “ninguém será detido por portar vinagre”, mas ressaltou crer que não será necessário que os manifestantes levem o produto para a manifestação.

comentários (102) | comente

Breno Pires 

Com cartazes, carro de som e gritos coletivos, aproximadamente 700 pessoas se reuniram na frente da Catedral da Sé, no centro de São Paulo, na tarde deste sábado, 15, em protesto contra o projeto que prevê a criação do Estatuto do Nascituro, em tramitação na Câmara dos Deputados. Nascituro é o ser humano concebido, mas ainda não nascido, de acordo com o estatuto, que dá direitos ao embrião e cria incentivos com o objetivo de evitar abortos mesmo em casos que hoje são autorizados.

Em sua maioria mulheres, parte delas ligadas a movimentos feministas, os manifestantes portavam cartazes defendendo a descriminalização do aborto e criticando a pensão alimentícia que o estatuto propõe para mulheres que engravidarem em ato de violência sexual – o que vem sendo chamado de bolsa-estupro.

O microfone ficou aberto durante a maior parte do ato, a partir das 13h30, e, no discurso de várias mulheres, além de críticas à Igreja e à bancada evangélica, foram ouvidas cobranças à presidente Dilma Rousseff.

“Queremos um posicionamento da presidente Dilma, que é mulher. Ela não pode ficar calada. Presidenta, abra a boca. Diga o que você pensa sobre o projeto. Se é favor do nascituro ou se é a favor das mulheres. Se está do lado do estuprador ou da vítima. Queremos que os governantes se coloquem”, disse Paula Kaufmann, de 21 anos, integrante do coletivo Juntas, formado por jovens feministas. Ela levava um cartaz que dizia “Meu corpo minhas regras”.

VEJA TAMBÉM:
Comissão dá aval para ‘bolsa estupro’
Protesto contra Estatuto do Nascituro em São Paulo é organizado nas redes sociais

Com um cartaz dizendo “Somos mulheres, não incubadoras”, Evelyn Nimtz, de 29 anos, disse que veio ao evento para defender a descriminalização do aborto e o direito de a mulher decidir se deve levar adiante ou não uma gravidez. “Queremos o apoio do governo caso eu decida abortar. Quero poder fazer em um hospital público e seguro”, disse, ao lado da amiga Isabele Bargmann, que carregava cartaz com a frase “Estuprador não é pai”.

Entre os vários gritos de guerra ouvidos na praça, cantados também pela minoria de homens que compareceu, estavam: “Estuprador é na prisão, com a bolsa-estupro ele vai para a certidão”, “Cadê o homem que engravidou? Por que o crime é da mulher que abortou?” e “Se o papa fosse mulher, o aborto seria legal. Seria legal e seguro”.

Às 16h, o movimento, que estava inteiro na praça, começou a circular por ruas próximas, mas voltou ao local menos de 30 minutos depois. A manifestação encerrou às 16h45. O protesto foi organizado no Facebook a partir de uma página publicada pelo movimento Machismo Nosso de Cada Dia. 17 mil pessoas haviam confirmado, nas redes sociais, presença no evento.

DISCUSSÃO. Durante o ato, havia cerca de 10 pessoas contrárias ao aborto em pé na entrada da Cadetral da Sé rezando. Uma discussão se formou depois que um homem que estava rezando colocou a mão sobre a cabeça de uma mulher. “Ele parecia querer me exorcizar. Foi uma agressão simbólica”, disse Giselle dos Anjos Santos, de 27 anos, historiadora. Lucas de Carvalho, de 33 anos, disse que estava apenas rezando por ela. “Não exorcizei porque não tenho esse poder. Estava rezando para que ela tivesse a paz de Cristo no coração dela”, disse Lucas, que estava com o filho.

Ao perceber a discussão, ainda que pacífica, entre Lucas e algumas amigas de Giselle, a maioria dos manifestantes – que se espalhava pela praça da Sé – resolveu se aproximar mais da igreja. “Vem, vem, vem para a escada, vem contra o estatuto”, gritaram os manifestantes. Algumas pessoas ficaram tensas, mas não houve agressão.

Depois de algum tempo dividindo as escadas, as pessoas que rezavam na entrada da igreja se uniram em uma roda de oração, ao final da qual se retiraram sob fortes vaias e mais cantos.

Uma das pessoas que se posicionavam contra o aborto era a escritora Mônica Lopes, de 47 anos. Ela carregava um banner com uma imagem de rosto de Jesus Cristo, com 1,5 m de altura. “Sou radicalmente contra o aborto. Eles vieram protestar na frente da igreja e eu vim proteger a minha fé”, disse Mônica, católica, que assistiu à missa que terminou ao meio-dia e resolveu ficar no local.

PASSE-LIVRE. Durante o ato, foram lembrados os protestos contra tarifa de transporte público municipal, que vêm sendo organizados pelo Movimento Passe Livre. O público aplaudiu muito cada menção às manifestações e foi convidado a comparecer à próxima, que está marcada para a segunda-feira, dia 17. Um dos cantos durante o ato parece com um ouvido nos protestos contra a tarifa: “Vem para a rua, vem, contra o estatuto”. No caso, a palavra “estatuto” substituiu “aumento”.

comentários (41) | comente

19h24 – O protesto na Avenida Chucri Zaidan, na frente da sede da Rede Globo em São Paulo, no Itaim,  é encerrado.

18h41 – Algumas pessoas permanecem na Avenida Paulista, mas o ato está praticamente encerrado. Apenas uma faixa está obstruída. Mas o trânsito flui.

18h23 – Na Avenida Paulista, o público começa a se dispersar. Duas faixas seguem ocupadas na altura da Rua Augusta, sentido Paraíso.

18h15 – Itaim-Bibi –  Cerca de 70 manifestantes também se reúnem em frente à sede da Rede Globo em São Paulo, na Avenida Dr. Chucri Zaidan, 46, Itaim Bibi. A PM está no local com mais de 100 homens,  mas a manifestação é pacífica. A O foco dos protestos é amplo: corrupção, melhorias na saúde, entre outras coisas. A redução das tarifas de transporte, ao  contrário das manifestações recentes na capital, não está em primeiro plano.

O major Sérgio Watanabe coordena a operação: “estamos aqui para defender a democracia, mas também para garantir a ordem pública. Concordo que ontem (quinta-feira, 13) ocorreram coisas que desagradaram a polícia, mas hoje é outro dia”. Os manifestantes também não demonstram disposição de entrar em confronto: “não viemos para bater, mas não queremos levar porrada.”

17h49 – Neste momento, os manifestantes ocupam duas faixas no sentido Paraíso. As outras duas estão liberadas  e a manifestação é pacífica. Os líderes da passeata discutem quem irá tentar o contato com a secretaria do escritório da Presidência da República em São Paulo. Acompanhe a situação do trânsito na cidade.

17h39– Apesar de o protesto estar pacífico, o clima é  de tensão entre motoristas e pedestres na Avenida Paulista, por causa dos confrontos que vem ocorrendo na última semana na região. Alguns comércios fecharam as portas. O empresário Felipe Chedi, de 36 anos, de Fortaleza, diz que há dois dias tenta aproveitar o tempo livre na cidade e não consegue, por causa dos protestos. “Chego das reuniões, mas tem sempre alguma coisa acontecendo”.

17h28 – Neste momento, os manifestantes já se encontram na frente do escritório da Presidência da República em São Paulo, na travessa da Avenida Paulista com a Rua Augusta, ao lado do Conjunto Nacional. Eles ocupam todas as pistasno sentido Paraíso e a PM tenta liberar ao menos uma faixa.

16h00 – Integrantes do movimento Copa Pra Quem? e de movimentos de sem-teto fazem uma manifestação na tarde desta sexta-feira, 14, na Avenida Paulista, região central de São Paulo. Cerca de 600 manifestantes se que estavam no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp) ocupam todas as faixas da avenida no sentido Consolação. Além das pautas próprias de cada grupo, ambos aproveitam para fazer um ato de desagravo contra a violência policial, por conta de supostos excessos denunciados durante a marcha pela redução da tarifa de ônibus na cidade, na noite dessa quinta-feira, 13.

O protesto corre de maneira pacífica e é acompanhado por um caminhão de som. A PM tenta evitar o fechamento da avenida.

O movimento Copa Pra Quem? questiona a remoção de moradores em decorrência de obras próximas a estádios da Copa do Mundo, além do montante de recursos públicos empregados para a realização do evento. “Nós não podemos aceitar um ingresso caro. A copa esta sendo feita com dinheiro público e ninguém vai poder usufruir do evento. Vai se abrir um estado de exceção”, diz Guilherme Boulos, presidente organizador do ato Copa Pra Quem?

Andre Ferrari, da convenção nacional do Psol, também diz que a mobilização também tomou a liberdade de expressão como causa. “Essatambém é uma manifestação contra a violência da policia de ontem”. O ato também reúne moradores do Pinheiro – área em São José dos Campos alvo de uma reintegração de posse em 2011.

Folhetos distribuídos e cartazes fazem menção à redução da tarifa de ônibus na capital, motivo de quatro grandes manifestações e confrontos desde a quinta-feira passada, 6. “A experiência demonstra que com luta é possível derrotar e obter a conquista”, diz o material de divulgação, que cita outras passeatas que vem ocorrendo pela redução do preço da passagem do ônibus, como a de Porto Alegre, Goiânia, Natal e Teresina. O grupo também repete as seguintes palavras de ordem: “Dança até o chão, todo mundo unido contra a repressão”.

Os organizadores da manifestação afirmam que pretendem seguir até o escritório da presidência da República em São Paulo, na esquina da Avenida Paulista com a Rua Augusta.

Fonte: Estadão

Deixe seu Comentário