Relator da CPI do Cachoeira diz que investigará ‘doa a quem doer’

Odair Cunha (PT-MG) foi indicado pela bancada do PT na Câmara.
Próximo ao Planalto, deputado afirmou que não tentará blindar o governo.

O deputado Odair Cunha (PT-MG), indicado para a relatoria da CPI que investigará as ligações do bicheiro Carlinhos Cachoeira com políticos e empresas, disse nesta terça-feira (24) não ser possível controlar os alvos da investigação que será realizada pela comissão. O nome dele foi indicado mais cedo pela bancada do PT na Câmara, e deve ser oficializado em sessão do Congresso na noite desta terça.

O deputado Odair Cunha (PT-MG)

“Nós temos que analisar o que realmente existir de provas, de indícios, e a partir dessas provas ou indícios, produzir uma investigação que pode atingir A ou B. Essa é uma questão que nós não temos controle”, afirmou o petista antes de reunião com o líder do PT, Jilmar Tatto. “A partir dos indícios, produziremos uma investigação doa a quem doer”, afirmou ainda.

Advogado, Cunha cumpre o terceiro mandato consecutivo como deputado é o vice-líder do governo na Câmara. Cunha é considerado próximo ao Palácio do Planalto, e principalmente da ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti.

Blindagem ao governo
O deputado minimiza, no entanto, a relação e diz que não haverá qualquer tipo de blindagem ao governo na CPI. “Não há contradição entre o PT e o governo. Todos os assuntos que têm a ver com o fato determinado na CPI serão analisados por nós com tranquilidade”, afirmou.

“Todos nós temos relação com o governo da presidente Dilma, mas é importante que nós tenhamos clareza de que estamos investigando o Carlinhos Cachoeira e suas relações. Não trata-se de uma investigação que necessariamente vá para cima do Palácio do Planalto ou para cima de qualquer membro do governo”, disse o relator.

Quebra de sigilos
O deputado não quis adiantar os primeiros passos que tomará na CPI, alegando que a discussão precisa ser feita no âmbito da comissão e com os demais integrantes. Ele não descartou, no entanto, a quebra de sigilo de envolvidos com o bicheiro.

“Nós vamos estabelecer um roteiro de trabalho, vamos analisar o que existe a disposição nossa na CPMI, e a partir daí tomar as medidas adequadas. Pode ser inclusive que a gente chegue a pedir quebra de sigilo, mas é uma coisa que nós vamos analisar ao seu tempo.”

Cunha afirmou ainda que vai conduzir uma investigação “serena” de todos os que tenham tido envolvimento suspeito com Cachoeira.

“Nossa expectativa é que a comissão avance no seu objetivo central, que é produzir uma investigação séria, serena, que realmente identifique esse poder paralelo que se instalou a partir das relações desse senhor Carlinhos Cachoeira. “

Fonte: G1.globo.com

Deixe seu Comentário