PT ameniza discurso após reunião de Lula e Dilma em Brasília

Um dia após a reunião do ex-presidente Lula com a presidente Dilma Rousseff, no Palácio da Alvorada, os integrantes do PT na CPI Mista do Cachoeira se reuniram nesta quinta-feira para afinar o discurso e a estratégia de ação, já de acordo com as orientações do governo. Agora, os petistas dizem que não desejam politizar as investigações e querem restringi-la à organização do bicheiro Carlinhos Cachoeira e sua infiltração no Estado.

No caso da Delta, a maior empreiteira do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), seria apurada só a relação da empresa com o contraventor.

Já desmascarar a “farsa” do mensalão, como pregou em vídeo o presidente do PT, Rui Falcão, não é mais admitido em público como objetivo na CPI. Na reunião, foram definidas quatro linhas de ação para impedir que a CPI saia do controle.

— Primeiro: não vamos permitir que a CPI se transforme num palco de disputa entre PT e PSDB, ou de oposição contra governo, em que cada um fique querendo botar o pescoço do outro na guilhotina. Segundo: não vamos fazer o retrabalho do que já foi feito pela Polícia Federal, só investigar o que ficou de fora. Terceiro: não vamos permitir que a CPI se disperse em sub-relatorias que virem focos de divulgação de notícias oficiosas e tire o controle do relator. E, por último, não há nenhum compromisso de livrar a cara de ninguém — explicou o senador Humberto Costa (PT-PE).

— O PT quer controlar a CPI, mas não pode controlar os fatos — reagiu o presidente e líder do DEM, senador José Agripino Maia (RN).

Na reunião de deputados e senadores do PT que integram a CPI, líderes petistas no Distrito Federal queriam discutir a blindagem do governador Agnelo Queiroz (DF). O senador Walter Pinheiro (PT-BA) despachou o grupo, afirmando que Agnelo tem que apresentar sua defesa à CPI e, no caso do partido, seu interlocutor é Rui Falcão. Ao final da reunião, um dos participantes comentou a situação de Agnelo:

— Não vamos proteger nem empurrar ladeira abaixo.

Apesar do discurso público, os petistas vão tentar direcionar as investigações para o governador tucano Marconi Perillo (GO) e o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO). Mas, por enquanto, sem requerimentos direcionados a eles.

A mudança de comportamento do PT, pelo menos no discurso público, ocorreu após a passagem de Lula por Brasília. Lula foi o principal incendiário da CPI do Cachoeira, e o PT foi a reboque. Isso, porém, desagradou a Dilma, que teme respingos em seu governo e uma crise que pare as votações no Congresso.

Fonte: Globo.com

Deixe seu Comentário