OGX derruba Bovespa pelo segundo dia seguido; dólar sobe a R$ 2,016

Bovespa fechou no vermelho pelo segundo dia seguido nesta quinta-feira (9). O Ibovespa (principal índice da Bolsa) recuou 0,64%, para 55.447,56 pontos. Os negócios movimentaram R$ 6,84 bilhões.

As ações da OGX (OGXP3), petrolífera de Eike Batista, puxaram a queda da Bolsa. A empresa deve divulgar seus resultados trimestrais após o fechamento do mercado.

Após duas quedas seguidas, o dólar comercial fechou em alta de 0,62%, a R$ 2,016 na venda. Na maioria dos mercados globais o dólar também se valorizou, principalmente em relação ao euro e ao iene.

Além disso, as Bolsas dos EUA operavam em queda após terem batido recordes na véspera. Alguns analistas dizem acreditar que o otimismo dos investidores esteja no fim, o que faria com que eles se voltassem para ativos considerados mais seguros, como o dólar.

Com maior procura pela moeda no país, a cotação tende a subir.

OGX derruba Bolsa antes de balanço; Ambev tem maior alta

A maior queda do dia foi da construtora Brookfield (BISA3), que surpreendeu o mercado ao divulgar um prejuízo para o primeiro trimestre quase três vezes maior que o registrado no ano passado, quando os analistas esperavam lucro da empresa. A ação recuou 7,14%, a R$ 1,95.

A principal influência de queda da Bolsa, no entanto, foi das ações da OGX (OGXP3), de Eike Batista, que estão entre as mais negociadas do índice. A empresa deve divulgar seu resultado do primeiro trimestre após o fechamento do mercado; os papéis recuaram 6,25%, a R$ 1,65.

“Com o peso maior de OGX na carteira do Ibovespa, isso deixa o índice um pouco fora da realidade”, disse o gerente de renda variável da H.Commcor, Ariovaldo Santos. “Com o papel nesse nível de preço, qualquer oscilação nele faz estrago no índice”.

O Marfrig (MRFG3) também apareceu entre as maiores baixas, perdendo 5,39%, a R$ 6,50. A mineradora de Eike Batista, MMX (MMXM3), recuou 3,9%, a R$ 1,97; a MRV Engenharia (MRVE3) fechou em queda de 3,64%, a R$ 8,20.

Entre as maiores altas, destaque para as ações da Ambev (AMBV4), que subiram 3,17%, a R$ 84,95; da Gafisa (GFSA3), que ganharam 2,81%, a R$ 4,03; e da Vanguarda Agro (VAGR3), que fecharam com ganhos de 2,56%, a R$ 0,40.

Bolsas internacionais

As ações norte-americanas fecharam em queda, interrompendo uma série de cinco sessões seguidas de altas, num sinal de que as fortes altas dos últimos dias podem não se sustentar mais.

O índice Dow Jones recuou 0,15%, para 15.082 pontos. O índice Standard & Poor’s 500 teve desvalorização de 0,37%, para 1.626 pontos. A Nasdaq caiu 0,12%, para 3.409 pontos.

As ações europeias fecharam em leve queda, com investidores embolsando lucros dos setores considerados mais seguros. Apesar disso, os índices continuam perto dos valores recordes atingidos nas últimas semanas.

O FTSEurofirst 300, índice das principais ações europeias, fechou estável a 1.229 pontos. Em Londres, o índice Financial Times avançou 0,14%. Em Frankfurt, o índice DAX subiu 0,16%. Em Paris, o índice CAC-40 teve baixa de 0,7%.

Fortes dados de emprego na Austrália e um surpreendente corte de juros na Coreia do Sul impulsionaram as ações asiáticas, depois que Wall Street ampliou a sequência de recordes.

Mas a alta foi limitada por preocupações de que uma aceleração da inflação na China possa limitar suas opções de política.

As ações sul coreanas saltaram 1,18%; o mercado em Hong Kong caiu 0,14% e Xangai perdeu 0,59%. A Bolsa de Taiwan subiu 0,23%, enquanto Cingapura avançou 0,58%.

(Com Reuters)

Ampliar

Entenda alguns termos curiosos do mercado financeiro9 fotos

1 / 9

O mercado está andando de lado, os investidores estão realizando lucros com as blue chips, os “bulls” estão comprados e os “bear” estão vendidos. Entendeu? Confira o significado e a origem de alguns termos curiosos usados no mercado financeiroArte/UOL
Fonte: Uol

Deixe seu Comentário