O Pac-Man da corrupção – jogo no Facebook satiriza carreira de políticos corruptos

ATENÇÃO: “Você foi eleito graças a algumas manobras eleitoreiras, como pagar churrascos e fazer showmícios nas favelas, onde você prometeu um monte de coisas, que não são nem da sua alçada. Mas… E daí? Você tá de olho é no salário, nos cargos e, principalmente, nos contratos”.

O aviso, nu e cru, aparece assim que você começa a jogar o “Roba Roba“, game lançado nesta quinta-feira,19, no Facebook pela empresa PlayerUm. A ideia é mostrar a carreira de um político corrupto. Na primeira fase, você é um vereador. Na segunda, deputado estadual. E assim sucessivamente até chegar ao ápice: a cadeira da presidência do Senado.

Para passar de fase, e, consequentemente, subir na vida, é simples. O jogador precisa “desviar” dinheiro e fugir dos “inimigos” que irão tentar detê-lo: a imprensa, a Justiça, o povo e a temida Polícia Federal.

O design do jogo lembra o antigo Pac-Man. Quanto mais dinheiro o jogador embolsar, mais antitroféus vai ganhar: menos hospitais, menos escolas, menos estrada, isto é, cada vez menos investimentos na cidade porque os recursos estão todos com destino certo, a corrupção.

O Roba Roba não é o primeiro jogo de cunho político que a empresa lança. Durante o segundo turno das eleições de 2010, eles criaram o “Tamatocracia”. O objetivo era acertar tomates nos então candidatos à Presidência: a petista Dilma Rousseff e o tucano José Serra. Foram mais de 1 milhão. No ano passado, após inúmeros bueiros explodirem no Rio, eles criaram o “Desafio Rio Boom-eiro”, cujo objetivo era caminhar pela cidade maravilhosa sem ser acertado.

Segundo um dos sócios da PlayerUm, Rubens Blajberg, a empresa costuma aproveitar fatos que estão em evidência para fazer games que satirizam a realidade. Desta vez, no entanto, foi diferente: “Infelizmente, a corrupção está sempre acontecendo. Então a gente nem precisou esperar pelo timing, foi só ter a ideia e montar o jogo. E aí coincidiu com o escândalo do Cachoeira agora, mas poderia ter sido com qualquer outro”, afirmou Blajberg, fazendo referência ao caso do contraventor Carlinhos Cachoeira, cuja CPI foi criada nesta quinta no Congresso.

Deixe seu Comentário