HIPOCRISIA E CULPA – Por Artur Neto

O ex-Presidente Lula se move pela ambição desmedida de poder e é vítima do ódio que lhe domina a alma. O ódio leva ao egoísmo e este cega seus portadores.

A chamada CPI do Cachoeira, a depender de Lula, será instrumento de perseguição a adversários políticos e proteção a bandidos aliados, jamais de busca sincera da verdade. Seus objetivos, aliás, são dois: vingar-se do governador de Goiás, Marconi Perillo, que cometeu o “crime” de lhe dizer que havia uma quadrilha montada dentro do governo federal para comprar deputados e assaltar, organizadamente, os cofres públicos. E, sem dúvida, procurar embaralhar o julgamento dos mensaleiros, que deverá ocorrer ainda neste semestre.

Arthur Virgílio Neto é Diplomata e foi líder do PSDB no senado

Sobre Marconi, afirmo com serenidade: ainda não vi nada de concreto que o incriminasse. Ao contrário, por exemplo, do governador petista do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, que dificilmente escapará do impeachment. Mantenho, portanto, a crença, no meu companheiro de partido não por essa condição e sim porque ainda não li ou vi nada que o pusesse na condição de réu.

Lula se engana se pensa que poderá controlar o rumo das investigações, poupando uns e inventando culpas para outros. Com a imprensa livre e a democracia com que contamos, a verdade aparecerá, a despeito de tropas de choque e de maiorias parlamentares. Sua excelência, o fato falará mais alto que artificialismos e gestos espúrios e desonestos.

Quem tiver culpa no cartório deve pagar, pertença a que partido pertencer, dirija esta ou aquela empresa. É isso que o Brasil honrado espera dos seus representantes legislativos.

Se Lula agisse de boa fé, não mentiria dizendo que nunca houve mensalão. Afinal, ele mesmo, à época do escândalo, foi à televisão pedir desculpas à nação. Falou-se até em refundar o PT. Lula acenava para as oposições com a proposta de não disputar a reeleição, em troca de não ser proposto seu impedimento.

José Dirceu, Silvinho “Land Rover” (que até já cumpriu pena alternativa para se livrar do processo), Delúbio, João Paulo Cunha e outros do mesmo naipe não escaparão do exame de seus atos pela mais alta corte judicial do país. E, ao mesmo tempo, continuo esperando que Fernando Cavendish e Carlos Cachoeira (que paga R$15 milhões ao brilhante advogado e petista tendencioso Marcio Tomas Bastos para defendê-lo) falem tudo que sabem da “República do rabo preso”. Tudo mesmo, sem omitir nada e nem ninguém. Sem mentir, sem inventar, sem tergiversar.

Aguardemos para ver se a CPMI será – ou não – uma fraude a mais no extenso rol de dossiês fajutos, corrupção sistêmica e engodos. A sociedade logo perceberá se será a sinceridade ou a perfídia a presidir o inquérito.

Uma coisa, no entanto, é certa: o julgamento dos mensaleiros deverá ser para valer. Espero que, brevemente, estejam punidos tanto quanto os que se envolveram, de fato, no esquema de Cachoeira e da Delta Construções, a empreiteira preferida do PAC.

Chega de hipocrisia!

Deixe seu Comentário