‘Estadão’ entra com requerimento sobre viagens de Sérgio Cabral ao exterior

Ofício ao secretário da Casa Civil do Rio busca esclarecer visitas do governador a outros países.

Estado de S. Paulo protocolou nesta segunda-feira, 7, junto ao governo do Estado do Rio de Janeiro um pedido de informações sobre as viagens do governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) ao exterior. O objetivo do requerimento, dirigido ao secretário da Casa Civil, Régis Fichtner, é obter esclarecimentos sobre visitas do governador a outros países e sobre dúvidas que as envolvem. Elas surgiram após a divulgação de fotos e vídeos nos quais Cabral aparece se divertindo e até jantando em um restaurante de luxo em Mônaco com o amigo e empresário Fernando Cavendish, controlador da empresa Delta, investigada pela CPI do Cachoeira.

As imagens foram divulgadas primeiro pelo blog do deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ), um adversário de Cabral, mas depois foram reproduzidas pela imprensa. O governador diz que, nas viagens, pagou despesas privadas do seu bolso e afirma que nunca misturou os interesses do Rio – que contratou com a Delta obras de R$ 1,49 bilhão – com amizade, mas não dá entrevistas sobre o assunto. Limitou-se, até esta segunda, a se manifestar por notas preparadas por sua assessoria de imprensa. Em dois eventos na semana passada, no Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e no Teatro João Caetano, o governador saiu por portas laterais, evitando contato com jornalistas.

Sérgio Cabral

No requerimento, de cinco páginas, o Estadão encaminha oficialmente 14 perguntas ao governo do Rio de Janeiro. O jornal pede, entre outras coisas, a relação completa das viagens do governador fluminense ao exterior desde sua primeira posse em 2007 até 30 de abril de 2012, e informações sobre seus objetivos e agendas, meios de transporte utilizados, custos, convidados, pagamentos, hotéis. O documento foi elaborado com base na Constituição de 1988, que fixa o princípio da publicidade nos assuntos públicos e estabelece o direito dos cidadãos de requerer aos Três Poderes informações de seu interesse particular ou coletivo. O requerimento também se refere à legislação ordinária de acesso a informações públicas, que também dá direito a recorrer ao Judiciário para obtê-los.

Até o início da noite desta segunda, o governo do Rio de Janeiro não se manifestara sobre o pedido.

Deixe seu Comentário