Dilma e Marina no segundo turno ou Lula no primeiro? Que tal uma injeção no olho, sem anestesia? – Por Reinaldo Azevedo

Dilma e Marina no segundo turno ou Lula no primeiro? Que tal uma injeção no olho, sem anestesia? Ou: Os pobres ainda não apareceram para falar

Uma pausa nas minhas férias para comentar pesquisa Estadão-Ibope de intenção de votos para a Presidência da República. Vocês encontram mais detalhes do portal do jornal. Destaco aqui alguns dados que me parecem relevantes. Também este levantamento, a exemplo de outros que o antecederam, registra a monumental despencada de Dilma Rousseff (PT), que caiu de 58% em março para 30% – no cenário em que aparecem Marina Silva (Rede), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB). Com esses mesmos nomes, Lula obteria 41% e se elegeria no primeiro turno. Em qualquer dos casos, quem mais ganhou eleitores entre o levantamento de março e o de agora é Marina: com Dilma na disputa, ela salta de 12% para 22%, Aécio passa de 9% para 13%, e Campos, de 3% para 5%. Quando o nome do PT é Lula, a ex-ministra do Meio Ambiente fica com 18%, e o senador tucano, com 12%. Em qualquer cenário, a ex-senadora petista fica em segundo lugar. Num eventual segundo turno entre as duas, há empate: 35% para Dilma contra 34% para Marina.

Reinaldo Azevedo - Blogueiro e Colunista - VEJA
Reinaldo Azevedo – Blogueiro e Colunista – VEJA

É claro que eu não gosto do resultado, mas ele traduz, sim, o espírito das manifestações de rua, que, sabem vocês, nunca foi do meu agrado. Os números apontam para duas perspectivas para mim horripilantes: a que garantiria a vitória de Lula no primeiro turno e a que permitiria uma disputa, em segundo, entre Dilma e Marina Silva. Nesse caso, ocorreria o que chamo de choque de obscurantismos – o deste mundo (Dilma) contra o do outro mundo (Marina). Sei que ainda não há campanha na TV; que a petista tende a ter um latifúndio de tempo, contra alguns segundos da sua eventual adversária e coisa e tal… A diferença pode fazer diferença no primeiro turno; no segundo, tudo se iguala. Uma Marina Silva falando contra a política tradicional, emprestando-se ares de Davi contra a Golias da Maldade, do “tostão contra o milhão”… Ah, meus caros, a chance de um desastre dessas proporções de realizar é imensa!

E há, como se constata, a chance de Lula entrar na jogada. E cumpre não descartar essa possibilidade. Em palestra para estudantes da Universidade Federal do ABC, ele reiterou que sua candidata é Dilma e coisa e tal, mas avisou: não está doente coisa nenhuma! Sendo ele quem é, não é o tipo de desmentido que se deva ignorar. “Ah, ele só está corrigindo uma informação…”. Não quando se é Lula e quando vemos o patrimônio eleitoral do PT se desmanchar. É uma tolice supor que ele possa mesmo estar fora da jogada. É preciso ignorar a natureza do petismo para supor que o partido caminharia para uma derrota eleitoral certa ou para uma disputa de máximo risco. Se preciso, Lula volta à cena, sim, senhores!, pouco importa o seu real estado de saúde. Se puder fazer uma campanha mínima, isso basta.

Não, não… O resultado eleitoral das ruas buliçosas não é nada bom. No cenário em que Lula (38%) é candidato e em que aparecem Joaquim Barbosa (6%) e Marina Silva (17%), a soma desses três nomes alcança 61%. Nesse caso, o tucano Aécio Neves obtém apenas 12% – índice que se repete em dois outros; o máximo que atingiu foi 13%. Isso significa que o único nome identificado com a oposição obteve bem pouco ganho com a derrocada de Dilma. Como se explica? O movimento das ruas, ainda que assentado, às vezes, em causas as mais meritórias, é, infelizmente, contra a política. E Marina Silva é muito mais eficiente do que todos os seus adversários na arte de fingir de que faz outra coisa que não… política!

E os pobres?
Tomei aqui algumas pancadas porque escrevi que, até agora, os pobres não foram às ruas. Pancadas, acho eu, injustas porque eu não estava desqualificando nada. Fazia um registro para entender a realidade e não alimentar falsas ilusões. A pesquisa Ibope evidencia que a minha observação era pertinente. O movimento das ruas fez quase dobrar o índice de Marina. Agora vejam este número: Marina tem 44% das intenções de votos de quem ganha mais de 10 mínimos, contra apenas 19% de Dilma – em março, era o contrário: 43% a 18% em favor da petista. Já entre os que ganham até um mínimo, a presidente alcança 43%, contra apenas 13% da ex-ministra.

Os números estão aí. Reproduzo na íntegra, título incluído, um post que publiquei no dia 28 de junho. E volto aos dias de hoje para encerrar:

Não tem pobre na rua mesmo, ué! Por que a braveza? Ou: Existe um jeito de combater a esquerda que só a fortalece

No fim do debate de ontem da VEJA.com (assista ao vídeo), afirmei que “não há pobres nas ruas”. Algumas pessoas ficaram bravas. É possível que tenham entendido tudo errado. Disse isso no contexto em que sustentei que Lula é um dos vitoriosos dessa jornada infeliz porque voltou ao jogo sucessório. E não precisou fazer muita coisa para isso. Sua candidatura em 2014 é debatida a céu aberto no PT.

Fazer o quê? As pesquisas estão aí. Os miseráveis e os muito pobres não estão nas ruas. Lula fala com eles melhor do que qualquer grupo portando cartolinas. E já se articula freneticamente para fazer o que mais sabe: jogar brasileiros contra brasileiros. Os 52 milhões que são tocados, de algum modo, pelo Bolsa Família estão cantando e andando para o Passe Livre ou para protestos como “Hospitais Padrão Fifa”.

Alguns bobos acham — justo eu??? — que estou colaborando com o petismo quando faço essa crítica. Bobagem! Eu estou fazendo um alerta. Há motivos, sim, para protestos, mas não para esses ensaios meio grotescos de insurreição popular. “Ah, mas se tudo andasse às mil maravilhas…” Olhem aqui: com o processo de demonização da polícia a que assistimos, esse desdobramento era óbvio e cheguei a antevê-lo aqui. Pura lógica. Há mais causas contingentes do que de fundo. A economia vai mal, mas a ruindade ainda não chegou às ruas com esse força. Reconhecer a realidade ajuda a gente a não errar…

É claro que o PT mobilizará seus aparelhos ou para fazer frente a essa onda ou, como é mais provável, para surfar nela. Afinal, é o que estão fazendo hoje parlamentares, o governo federal e até ministros do Supremo. Quando a equação incluir os pobres, aí vamos ver. A torção à esquerda da política já se deu. Uma coisa é certa: enquanto o incentivo ao vandalismo (ver post anterior) for chamado de “movimento pacífico infiltrado por baderneiros”, os baderneiros continuarão a serviço do suposto “movimento pacífico”.

Será que eu “petizei”? Não é isso, não! Nunca esses caras me provocaram mais repulsa! É que existe um modo de combatê-los que os enfraquece, e existe um modo de combatê-los que os fortalece. Os métodos até agora empregados e incensados atuam contra a racionalidade administrativa, o estado democrático e a sociedade de direito. E quem conhece essa praia são as esquerdas, antes e depois do Facebook.

Encerro
Marina é de esquerda, ainda que modernosa. E é do pior tipo. Finge ser vegetariana, ou herbívora, para que possa ser mais eficientemente carnívora.

Pronto! Agora volto à minha viagem ao século 15, antes que o Brasil retorne ao… 19!

Por Reinaldo Azevedo

 

Deixe seu Comentário