Dilma diz esperar que juros se aproximem de taxas internacionais

As declarações da presidente antecedem reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central, na semana que vem.

A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira esperar que as taxas de juros brasileiras convirjam para taxas próximas aos padrões internacionais e voltou a afirmar que considera os spreads bancários no Brasil “tecnicamente de difícil explicação”.

Dilma: "Eu espero que haja um processo de convergência dos juros para as taxas internacionais"

“A questão dos juros é uma questão também de reequilíbrio das condições no Brasil”, disse Dilma a jornalistas durante visita aos Estados Unidos, após elencar alguns fatores da economia brasileira, como controle da inflação e grande quantidade de reservas.

“Eu espero que haja um processo de convergência dos juros para as taxas internacionais”, acrescentou a presidente.

As declarações de Dilma antecedem reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, na semana que vem, para decidir sobre a taxa básica de juro, atualmente em 9,75 por cento ao ano.

Pesquisa Focus, realizada pelo Banco Central junto ao mercado e divulgada nesta segunda-feira, aponta expectativa de que o Copom reduza a taxa Selic para 9 por cento na reunião da semana que vem.

Deixe seu Comentário