Banda Larga deverá ser dez vezes mais veloz até 2014

A meta do Plano Nacional de Banda larga (PNBL) deverá ser de 10 megabites por segundo até 2014. Atualmente, a meta é de 1 Mbs pelo preço de R$ 35 ao mês. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse que o plano passará por uma grande revisão no próximo ano, o que ele está chamando de PNBL 2.0. Ele acredita que poderá atingir os 5 Mbs almejados pela presidente Dilma Rousseff. recentemente, ela falou em seu programa de rádio que a velocidade tem que ser de pelo menos 5 mega. Mas foi só um exemplo, garantiu Paulo Bernardo.

A tendência da velocidade é aumentar e podemos acelerar – disse o ministro.

Paulo Bernardo disse que pode ser feito um plano de universalização do serviço de internet. Isto poderá acontecer com a licitação, que o governo pretende realizar no próximo ano da faixa de frequência de 700 megahertz. O governo cobraria menos pelas outorgas, mas imporia grandes metas de implantação da banda larga, e com grandes velocidades.

Ele e o vice-presidente da Agência Nacional de Telecomunicações, Jarbas Valente, anunciaram nesta quarta-feira o projeto de medição da qualidade da banda larga fixa no Brasil. Ela é necessária porque a partir do dia 31 de outubro entram em vigor as novas regras que exigem uma velocidade mínima da internet.

No total, existem atualmente no país cerca de 20 milhões de acessos de banda larga fixa. Serão recrutados 12 mil voluntários em todo o país, o que representa uma amostragem de 0,06% do total, que vão receber um medidor de parâmetros de qualidade da internet. Apesar de representar um número pequeno, Paulo Bernardo disse que é confiável por causa da metodologia utilizada. O resultado da pesquisa será divulgado mensalmente pela Anatel.

Os interessados em participar, segundo Valente, deverão ter acesso de internet e se inscrever. Isto poderá ser feito pelo site www.brasilbandalarga.com.br a partir de hoje até 29 de outubro. Será feito um sorteio, o usuário não precisará fazer nada, explicou e o equipamento fará a medição sozinho. Não poderão concorrer funcionários das empresas. Serão fiscalizadas as empresas Oi, Net, Telefonica Data, Ajato, GVT, Embratel, Sercomtel, Vivo, Cabo Telecom, e a CTBC Telecom. Os usuários serão escolhidos pelas áreas do DDD. No país, 43% dos usuários de internet fixa têm 2 megabites por segundo e 57% acima desta velocidade, a amostra também será escolhida desta forma.

– Esta tecnologia já é utilizada em mais de 30 países, entre eles os Estados Unidos e o Reino Unido e é um processo de fiscalização on-line – disse Jarbas Valente.

A cada ano serão trocado 25% destes consumidores onde ficam instalados os equipamentos, de forma que a cada quatro anos todos eles sejam modificados todos que tenham participado deste trabalho.

O primeiro balanço das medições será divulgado no dia 31 de dezembro, ao mesmo tempo a Anatel fará a sua fiscalização.

Para o ministro das Comunicações, esta entidade vai aumentar inclusive a competição entre as empresas porque o usuário vai querer ir para aquela que está oferecendo mais velocidade.

– Os preços tendem a diminuir. Hoje temos cinco mil provedores de internet no país e a TV por assinatura vai aumentar este número. Teremos preços mais justos com velocidades maiores – afirmou ele.

A velocidade média exigida no novo regulamento não poderá ser menor do que 20% da contratada pelo usuário, em 95% das medições. No primeiro ano, a meta de é de 20 %. Nos doze meses seguintes, será de 30% e, a partir de então, 40%.

Também haverá meta para a velocidade média da banda larga fixa. Ela é o resultado da média de todas as medições realizadas no mês. A meta inicial é de 60%, nos doze primeiros meses. No ano seguinte será de 70% e, a partir de então, 80%.

Fonte: Oglobo.globo.com

Deixe seu Comentário