Aécio é ignorado em ato do PSDB paulista

Nome do provável candidato do partido à Presidência não é citado em discursos de convenção; Serra sinaliza que ainda está na disputa

A convenção que escolheu ontem a direção do PSDB no Estado mais populoso do País ignorou o nome do provável candidato do partido à Presidência da República em 2014. Os líderes tucanos de São Paulo, incluindo o governador Geraldo Alckmin e o ex-governador José Serra, não citaram o senador mineiro Aécio Neves durante o evento, realizado na Assembleia Legislativa.

Aécio Neves discursa durante evento da Força Sindical em São Paulo. (Foto: Caio Kenji/G1)
Aécio Neves discursa durante evento da Força Sindical em São Paulo. (Foto: Caio Kenji/G1)

Serra e o senador Aloysio Nunes Ferreira, inclusive, fizeram comentários sobre a situação política nacional, com ataques ao PT e seus aliados, e destacaram o esforço que o PSDB deve realizar para reconquistar a Presidência no ano que vem.

O grupo de Aécio teme que seu palanque paulista fique enfraquecido por falta de empenho dos correligionários. Nas últimas campanhas presidenciais, quando Serra e Alckmin foram os candidatos tucanos, Aécio foi acusado pelos colegas de fazer “corpo mole” em Minas Gerais. Daí o temor de que os paulistas “deem o troco” na eleição do ano que vem.

O deputado federal Duarte Nogueira, eleito ontem para a presidência da executiva do diretório estadual paulista, procurou minimizar o fato de o senador mineiro não ter sido lembrado em nenhum momento no evento de ontem. O parlamentar disse que se tratava de uma convenção estadual e que as atenções estavam completamente voltadas para o desempenho do partido no Estado.

Indagado sobre o projeto de seu antecessor no cargo, o deputado estadual Pedro Tobias, de promover reuniões entre lideranças tucanas do interior do Estado com Aécio, Nogueira disse que o plano será mantido. Logo em seguida, no entanto, acrescentou: “Serão encontros com Aécio e outras lideranças.” Entre essas outras lideranças, acrescentou, estariam o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Serra, Alckmin e prefeitos tucanos cujas administrações foram consideradas “exemplares”.

‘Quero mais’. Serra apareceu na convenção ao lado de Alckmin e, ao discursar, deixou implícita sua disposição de continuar interferindo na vida do PSDB e na disputa política. “Já tive muitos cargos na minha vida e quero ter ainda mais”, afirmou o ex-governador, que já disputou duas vezes o Planalto, em 2002 e 2010.

O novo presidente da executiva estadual comemorou a manifestação do ex-governador. “Como presidente estadual, vou estimular o Serra a disputar cargos. Afinal, trata-se de uma maiores lideranças do partido.”

Serra chegou à Assembleia quando os líderes tucanos já discursavam. Entrou e saiu sem dar declarações à imprensa.

No discurso, disse ser contrário ao acúmulo de cargos e lembrou que, ao assumir a liderança do PSDB no Senado, no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, desistiu de presidir o diretório do partido em São Paulo. Neste momento, um dos assuntos debatidos entre os tucanos é justamente a conveniência de Aécio assumir a presidência nacional do PSDB. O tema deverá aparecer na convenção nacional, prevista para 18 de maio, em Brasília.

Sem definição. Questionado por jornalistas sobre a definição da candidatura do partido ao Palácio do Planalto, o vice-presidente nacional do PSDB, Alberto Goldman, aliado de Serra, afirmou que nada está definido ainda. “A eleição é daqui a um ano e meio. O partido não tem nada definido até agora. Depende da convenção (nacional do partido, em 18 de maio)”, afirmou o tucano. “O (nome) mais provável é do Aécio, o que não quer dizer que é questão fechada”, completou Goldman.

Deixe seu Comentário