4G vai levar até cinco anos para se desenvolver no Brasil, diz Oi

Realidade em mercados como Coreia do Sul, EUA e Japão, o 4G ainda não chegou para valer no Brasil. A tecnologia que acelera a banda larga móvel existe no papel desde junho, quando a frequência de 2,5 Mhz foi a leilão numa operação em que R$ 2,9 bilhões foram arrecadados junto às operadoras interessadas em explorar o serviço.

Desde então as empresas de telefonia se armam para experimentar a tecnologia e aprimorar seu uso antes de oferecê-la aos consumidores. As cidades-sede da Copa do Mundo terão prioridade em receber o 4G. Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo devem ter a implantação iniciada em 2013, segundo previsão do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

Testes começaram a ser feitos. Na última semana Claro e Oi ofereceram degustações a consumidores em cidades turísticas como Campos do Jordão (SP), Búzios e Paraty (RJ) e em Brasília.  Em ambos os experimentos, segundo as operadoras, a velocidade de 80 Mbps foi superada, chegando, no caso da Oi, a 88 Mbps com rajadas de 100 Mbps. Os índices superam em muito o 1 Mbps, velocidade praticada atualmente no mercado.

“O perfil de utilização de internet pelos brasileiros tem se direcionado cada vez mais para o tráfego de vídeos e para o download de arquivos pesados, o que demanda conexões como o 4G, que proporcionam alta velocidade e perfeita qualidade na navegação. Percebemos que os sites de streaming de vídeos foram os mais acessados”, analisa Carlos Eduardo Monteiro, diretor do Projeto4G da Oi.

Segundo a empresa, o tempo de maturação da tecnologia tende a ser de três a cinco anos, dado o amadurecimento também no mercado internacional. Ao Olhar Digital, a operadora diz que ainda é cedo para projetar preços pelos quais os pacotes serão oferecidos. “Pacotes similares praticados na Europa custam de 50 a 60 euros por mês (equivalente a R$ 150). O serviço estará inicialmente voltado para quem estiver disposto a pagar por um serviço premium”, informa.

De olho na extensão da cobertura 4G, o governo já sinalizou interesse em leiloar a faixa de 700 Mhz para uso da nova tecnologia. Neste caso, no entanto, há um imbróglio iminente: as TVs abertas trafegam seus dados nesta frequência e, dada a intenção de prorrogar o desligamento do sinal analógico para além de 2016, a utilização pelas operadoras ainda é incerta.

Fonte: Olhar Digital

Deixe seu Comentário